melhor-empréstimo

Está em busca de um empréstimo, mas ainda tem dúvidas sobre as opções disponíveis e qual delas é melhor para você? Chegou a hora de acabar de acabar com elas!

Certos tipos de empréstimo exigem que o dinheiro seja gasto com algo específico. É o caso, por exemplo, do financiamento de imóvel ou de veículo. Já quando o objetivo é reformar a casa, viajar, lidar com imprevistos ou simplesmente pagar as dívidas e sair do sufoco, o consumidor conta com algumas outras opções, entre elas refinanciamento — de imóvel ou de veículo — e o crédito pessoal.

Com diferentes características, essas duas modalidades de empréstimo costumam trabalhar com juros bem mais baixos que os do rotativo do cartão de crédito e do cheque especial. Além disso, os prazos também são muito interessantes. No caso do refinanciamento, é possível levar até 20 anos para pagar pelo valor! Mas como saber qual é a melhor opção para o seu bolso? A gente explica!

Refinanciamento: juros baixos e mais prazo para pagar

empréstom com garantia

Muita gente ainda tem dúvidas sobre o refinanciamento. Afinal, se o carro ou imóvel já está pago, por que fazer um novo financiamento para ele? É por isso que, para evitar confusões, um outro termo muito usado para esse tipo de crédito é empréstimo com garantia. Ou seja: ao pedir a grana emprestada para o banco ou instituição financeira, você deixa um desses dois bens quitados em seu nome como garantia de pagamento.

Por dar mais segurança às empresas, o refinanciamento ajuda a conseguir valores mais altos e, o que é melhor, por taxas de juros mais em conta e com mais prazo para pagar. Para se ter uma ideia, no refinanciamento de imóvel, é possível conseguir até 60% do valor da propriedade, com juros a partir de 1,15%, e até 20 anos para pagar. Já no refinanciamento de veículos, as taxas começam em 1,49% ao mês, e o crédito liberado é de até 70% do valor avaliado para o carro.

Vantajosa ela é! Por outro lado, esta opção de empréstimo também tem suas limitações. Começando por quem pode solicitar, o refinanciamento só está disponível para quem tem carro ou imóvel no próprio nome. Além disso, por depender de uma avaliação do bem colocado como garantia, o crédito pode levar um pouquinho mais de tempo para ser liberado. Ah! E é preciso estar em dia com pagamento de impostos e de contas como IPTU, IPVA, multas ou condomínio.

Crédito pessoal: dinheiro rápido e sem burocracias

via GIPHY

É o tipo de empréstimo mais usado no Brasil, e não é difícil entender por quê. Pouco burocrático, ele não exige nada como garantia. Para liberar o dinheiro, os bancos e instituições financeiras se baseiam somente em uma análise de crédito, feita a partir do seu CPF e de outras informações, como renda mensal e histórico de pagamentos.

Como a empresa que empresta o dinheiro não tem garantia em caso de inadimplência, as taxas de juros são um pouco mais altas que as do refinanciamento, começando em 2,0% ao mês. Mesmo assim, ainda costumam passar bem longe dos 13% frequentemente cobrados pelo cheque especial!

Além disso, depois de aprovado, o crédito é liberado rapidinho: em geral, em até 48 horas úteis, o dinheiro já cai na sua conta. A partir daí, é só decidir o que fazer com ele e, claro, fazer o pagamento das parcelas até o vencimento para evitar cobranças adicionais.

Afinal, qual é o melhor: refinanciamento ou crédito pessoal?

 

via GIPHY

Apesar de as taxas do refinanciamento serem muito vantajosas, a verdade é que não existe uma resposta pronta para essa pergunta. Tudo vai depender de fatores que vão desde seu perfil até o valor do crédito que você deseja, passando pelas condições de pagamento. A seguir, nós comparamos os dois tipos de crédito em alguns aspectos principais:

  • Pré-requisitos para aprovação: são mais flexíveis no crédito pessoal, já que não é preciso ter um imóvel ou veículo quitado no próprio nome para deixar de garantia. Vale destacar que, nos dois tipos de crédito, quem está negativado também pode conseguir. Lembrando que, mesmo no empréstimo com garantia, a aprovação está sujeita à análise de crédito.
  • Praticidade e agilidade: embora os dois tipos de empréstimo sejam práticos e possam ser solicitados online, na plataforma da FinanZero, o crédito pessoal é um pouquinho menos burocrático, já que você não deixa nada como garantia. No refinanciamento, são pedidos documentos do veículo ou do imóvel, que também podem passar por uma avaliação prévia de valor.
  • Prazo e taxas de juros: como dito anteriormente, são melhores no refinanciamento de imóvel ou de veículo. Isso porque, com esse tipo de empréstimo, o banco ou instituição financeira fica prevenido em caso de calote, o que permite a cobrança de juros mais baixos. Os valores liberados também costumam ser mais altos.
  • Riscos do empréstimo: em caso de inadimplência, o crédito pessoal pode cobrar multas e juros altos, contribuindo para que você fique endividado. No entanto, os riscos são maiores no refinanciamento: a partir de 3 parcelas atrasadas, o banco ou instituição financeira já pode iniciar o processo para leiloar o bem, e quitar a dívida.

Antes de optar por um dos dois empréstimos, considere os fatores acima. A partir deles, fica mais fácil decidir qual é a opção mais adequada para você. Também, procure comparar o maior número possível de ofertas. Fazendo uma simulação na FinanZero, você recebe entre 1 a 10 ofertas de empréstimo pré-aprovadas de acordo com o seu perfil.

Com uma parcela que cabe direitinho no seu bolso, essa pode ser a chave para realizar seus sonhos ou sair do sufoco!