O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil foi positivo no 2º trimestre, na contramão do 1º trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil registrou variação positiva de 0,4% no segundo trimestre de 2019, na comparação com o primeiro trimestre. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No primeiro semestre deste ano, a alta é de 0,7% em relação ao mesmo período do ano passado. No acumulado dos quatro trimestres terminados em junho de 2019 alcançou 1,0%.

Mas o que é PIB?

O PIB é a soma, em dinheiro, de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região em determinado período. A divulgação do IBGE desta data refere-se ao PIB brasileiro no segundo trimestre de 2019.

Quando o resultado do PIB é positivo, o indicador é constantemente chamado de “crescimento econômico” pelo mercado. Contudo, quando o PIB é negativo por pelo menos dois trimestres seguidos, significa que a região em questão está em recessão: ou, a famosa crise.

Confira abaixo o PIB do Brasil desde 2010:

  • 2010: alta de 7,5%
  • 2011: alta de 4%
  • 2012: alta de 1,9%
  • 2013: alta de 3%
  • 2014: alta de 0,5%
  • 2015: baixa de -3,5%
  • 2016: baixa de -3,5%
  • 2017: alta de 1%
  • 2018: alta de 1,1%

Como pode ser observado acima, o PIB brasileiro foi negativo em 2015 e 2016, tempos em que a crise abalou a estrutura do País.

Em 2018, o PIB do primeiro trimestre foi negativo (-0,2%). Assim, os investidores e analistas que compõem o mercado financeiro temiam uma recessão brasileira. Mas, para surpresa e otimismo dos mesmos, o Brasil apresentou crescimento econômico no segundo trimestre deste ano.

Setores de maior e menor crescimento

O PIB oficial do Brasil é calculado pelo IBGE, que leva em consideração no cálculo o crescimento (ou decrescimento) de cada setor individualmente. A soma de todas as variações percentuais de todos os setores forma o PIB.

Confira abaixo quais são os grandes setores que compõem o cálculo do PIB, e suas respectivas variações entre abril e junho deste ano:

  1. Indústria: alta de 0,7%
  2. Serviços: alta de 0,3%
  3. Agropecuária: baixa de -0,4%

Indústria

O setor da Indústria é composto por diversos segmentos. Confira abaixo quais são estes segmentos, e quais foram suas variações no segundo trimestre de 2019:

  • Indústrias de Transformação: alta 2,0%
  • Construção: alta de 1,9%
  • Indústrias Extrativas: baixa de -3,8%
  • Eletricidade, gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos: baixa -0,7%

Serviços

O setor de serviços é composto por diversos segmentos também. Confira abaixo quais são, e quais foram suas variações no segundo trimestre de 2019:

  • Atividades imobiliárias: alta de 0,7%
  • Comércio: alta de 0,7%
  • Informação e comunicação: alta de 0,5%
  • Outras atividades de serviços: alta 0,4%
  • Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social: baixa de -0,6%
  • Transporte, armazenagem e correio: baixa de -0,3%
  • Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados: -0,1%

Confira mais clicando aqui – Serviços: confiança do setor cai 1,1 ponto em agosto, aponta FGV

Agropecuária

A Agropecuária é composta pela produção resultante da agricultura e da pecuária. Ou seja, os produtos de origem vegetal e animal. No mercado econômico, esses produtos geralmente recebem o nome de commodities, nome atribuído ao que se torna matéria-prima para outros produtos.

Outros componentes do PIB

Também compõem o cálculo do PIB, os consumos das famílias e do governo. Confira como foi o desempenho destas despesas no segundo trimestre:

  • Consumo das Famílias: alta de 0,3%
  • Consumo do Governo: baixa de 1,0%

E também são levados em consideração no cálculo do PIB do Brasil as Exportações de Bens e Serviços, que caíram 1,6% entre abril e junho deste ano. No mesmo período, as Importações de Bens e Serviços cresceram 1,0%.

Para conferir na íntegra a publicação do IBGE referente ao PIB do segundo trimestre de 2019, clique aqui.