Banco Central divulga dados de cartões de crédito no Brasil. Saiba como lidar com as dívidas

O uso do cartão de crédito está cada vez mais em alta entre os brasileiros, principalmente quando falamos na facilidade de parcelar compras ou a possibilidade de pagar a fatura somente depois de 30 dias. Mas e quando essa praticidade sai do controle e se torna um problema?

Em 2019, esse mercado teve um aumento expressivo, com os cartões de crédito atingindo 123 milhões de unidades e os de débito ,132 milhões, com 18% e 14% de aumento quando comparados a 2018.

Já quando pensamos nos números de transações, houve crescimento de 33% no cartão de crédito e de 20% no de débito.

Além disso, em relação ao parcelamento de compras, os brasileiros realizam:

  • 85,4% das compras em uma única parcela;
  • 9,8% em duas ou três parcelas;
  • 3,2% de quatro a seis parcelas,
  • 1,6% em mais de sete parcelas.

Os dados são do Banco Central e foram publicados no dia 1º de setembro no relatório Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões.

Veja mais – Receita federal abre programa de renegociação de dívidas

Dívidas com o cartão de crédito

O número de dívidas com cartões também segue em expansão. De acordo com pesquisa divulgada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), 76,4% das famílias endividadas no país tem o cartão de crédito como principal responsável pelas dívidas.

Pensando nisso, a FinanZero listou um passo-a-passo de como lidar com essa situação e se planejar financeiramente:

1. Planejamento financeiro

O primeiro passo é saber o seu balanço financeiro, isto é:

  • Quanto você está gastando?
  • Com o quê?
  • São coisas necessárias?
  • Em casos de dívidas com cartão de crédito, qual o Custo Efetivo Total (informações de despesas, taxas e custos dos serviços bancários) da sua dívida?

2. Mudando hábitos com o cartão de crédito

Depois que você anotar todos os seus gastos, é importante pensar no que é realmente necessário e para quais situações precisa usar o cartão de crédito.

Para a contadora Priscila Garcia, da Contax Assessoria, eliminar o uso constante do cartão de crédito é um passo importante quando se trata de uma saúde financeira:

“Ao organizar e definir novas estratégias para o uso do cartão de crédito, escolha não usá-lo habitualmente para compras de valores pequenos, apenas compras necessárias com valores mais altos que lhe trará vantagens pagar a longo prazo.”

Nesse caso, estamos falando daqueles gastos diários que passam despercebidos, como um salgado à tarde, um fast-food, pedir um Uber até o trabalho, entre outros. São gastos que vão se acumulando ao longo do mês, e no final o extrato do cartão vem com um valor alto.

3. Renegocie as dívidas

Os bancos e instituições financeiras costumam oferecer renegociação de dívidas. Para isso, o mais indicado é ir até uma agência e fazer uma proposta para o banco, pensando no quanto do seu orçamento você pode comprometer com o pagamento

4. Se necessário, faça um empréstimo

Apesar do parcelamento de dívidas do cartão de crédito ser uma opção apresentada pelos bancos, nem sempre é a melhor. Para Priscila, em casos de dívidas no cartão de crédito, existem outras possibilidades com um melhor custo benefício, “o que indico é que se faça um empréstimo, sairá muito mais em conta, terá parcelas fixas com juros bem menores”.

Veja mais – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

Ficou com mais alguma dúvida sobre como a pesquisa do Banco Central ou sobre dívidas com Cartão de Crédito? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.