Produção industrial já acumula -1,7% no acumulado do ano

A produção industrial nacional caiu 0,3% em julho, na comparação com junho. Desta forma, acumula decrescimento de -1,7% no ano. É o terceiro mês negativo seguido, após quedas em maio e junho. As informações foram publicadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (3).

Frente ao mesmo período de 2018, o resultado de julho de 2019 foi de recuo de -2,5%. No acumulado de 12 meses, por sua vez, a queda foi de -1,3%. Os resultados são da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta terça-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar de ser o terceiro resultado negativo seguido, o perfil de julho ficou diferente do que o observado em maio e junho, conforme o gerente da pesquisa, André Macedo: “antes, o perfil de recuo era disseminado. Já em julho, 15 das 26 atividades estão positivas, indicando uma concentração de resultados negativos”.

Os destaques negativos na comparação com junho ficaram com:

  • alimentos: 1%;
  • produtos químicos: -2,6%;
  • equipamentos de informática e produtos eletrônicos: -3,3%;
  • e bebidas: -4%.

Confira mais clicando aqui – Indústria: confiança do setor cresce em agosto, aponta FGV

Produção industrial: o que é indústria extrativa?

Por outro lado, a indústria extrativa cresceu 6%, terceiro resultado positivo consecutivo nesse tipo de comparação. Assim, acumulando 18,5% em três meses e recuperando parte dos -24,5% acumulados nos quatro meses anteriores.

A indústria extrativa envolve todas as atividades de coleta de produtos naturais. Sejam estes produtos de origem animal, vegetal ou mineral.

Na comparação com mês de julho de 2018, o resultado de -2,5% foi menos intenso do que os -5,9% registrados em junho. A diferença pode ser explicada, em parte, por julho ter um dia útil a mais neste ano. Já o acumulado no ano (-1,7%) apresentou aceleração em relação ao resultado do primeiro semestre (-1,5%).

No quadro por grandes categorias econômicas, somente bens intermediários apresentaram queda, tanto na comparação com julho de 2018 (-5,4%), quanto no acumulado no ano (-3%). Em ambos os casos, a categoria sofreu pressão da indústria extrativa.

“São duas visões diferentes da mesma atividade. Na margem, observamos uma recuperação parcial da extração de minério de ferro, devido à reabertura gradativa de sítios de mineração, após um período de suspensão para fiscalização. Porém, frente a 2018, a base de comparação é alta e percebe-se claramente que ainda há muita influência do rompimento da barragem de Brumadinho”, conclui o gerente da pesquisa.

Para conferir os dados publicados Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referente à produção industrial no mês de julho, clique aqui.