FinanzeroBlogDestaques

Quebra de acordo: não consegui pagar as parcelas da minha dívida renegociada, e agora?

Quebra de acordo: não consegui pagar as parcelas da minha dívida renegociada, e agora?

Compartilhe esse post:

A quebra de acordo acontece quando o consumidor não consegue arcar com as parcelas de uma dívida renegociada.

Quando o consumidor não consegue arcar com as parcelas de uma dívida, seja referente à tomada de empréstimo, financiamentos, compras de produtos ou contratação de serviços, é comum que seja feita a renegociação entre o devedor e o credor. Desse modo, é estabelecido um novo contrato de pagamento, com a incidência de outra taxa de juros, novo prazo de pagamento e valor final.

Com isso, após o pagamento da primeira parcela da renegociação, o consumidor tem o nome retirado dos cadastros de inadimplência, portanto, volta a ter o nome limpo. Entretanto, há situações em que, mesmo após o estabelecimento de um novo contrato, o devedor não consegue arcar com as prestações e ocorre a quebra de acordo.

O salário pode ser penhorado para pagar dívida?

O que é a quebra de acordo?

A quebra de acordo nada mais é do que o cancelamento do contrato de renegociação, que pode acontecer por dois principais motivos: pedido de cancelamento, que é quando o consumidor desiste do novo contrato de renegociação e solicita cancelamento mediante a cláusula de arrependimento, ou o o não pagamento das parcelas, isso é, se após a data de vencimento o devedor ainda não efetuou a quitação, pode haver a quebra de acordo.

O que acontece se não pagar as parcelas da dívida renegociada?

Quando as parcelas da dívida renegociada não são pagas, além da quebra de acordo, o consumidor pode lidar com outras consequências, conforme explicamos a seguir.

Cancelamento do contrato e das condições de pagamento renegociadas

A quebra de acordo, consequentemente, gerará o cancelamento do contrato de renegociação, logo, o devedor perde as condições negociadas que facilitavam o pagamento, porque passa a valer o contrato inicial, em que não há descontos e possui a incidência de juros e multa referentes ao período atrasado.

O nome volta a ficar sujo

Conforme explicado, ao efetuar o pagamento da primeira parcela da dívida renegociada, o nome do consumidor é automaticamente retirado dos cadastros de proteção ao crédito. Entretanto, se o mesmo voltar a se tornar inadimplente, o nome é incluído novamente, isso é, ficará sujo. É importante ressaltar, inclusive, que o nome negativado dificulta o acesso a diversos serviços financeiros, como empréstimo, financiamento, solicitação de cartão de crédito e abertura de contas.

Diminuição do score

A inclusão do consumidor nos cadastros de proteção ao crédito, além de dificultar o acesso deste a serviços financeiros, também impacta na constituição do score, uma pontuação que vai de 0 a 1000 e indica o grau de confiabilidade e risco de inadimplência do titular do CPF. Sendo assim, quanto mais tempo uma pessoa permanece com o nome negativado, mais baixo tende a ficar seu score.

Como ganhar dinheiro no Natal: confira 10 ideias para uma renda extra

Tem como renegociar a dívida mais de uma vez?

Sim, se o consumidor renegociou uma dívida e, porventura, não conseguiu arcar com as prestações, é possível renegociá-la novamente. Neste caso, é preciso entrar em contato com a credora e verificar as opções disponíveis. Vale ressaltar que, se o devedor constatar que não conseguirá pagar as prestações do contrato renegociado, a recomendação é tentar uma nova renegociação o mais breve possível, para evitar a inadimplência.

O que fazer se não conseguir pagar a dívida renegociada?

Se o consumidor renegociar uma dívida, mas constatar que não poderá pagar as prestações definidas em contrato, há algumas ações que podem ser tomadas, como mostramos a seguir.

Analise a capacidade de pagamento

O primeiro ponto é verificar quanto é possível dispor mensalmente para arcar com as parcelas da nova renegociação do contrato. Desse modo, o consumidor deve considerar o rendimento mensal, despesas fixas e gastos variáveis e/ou emergenciais. A partir daí, é possível avaliar a quantia disponível para pagamento das parcelas, pois é de suma importância que essa despesa caiba no orçamento, a fim de evitar uma nova quebra de contrato.

Entre em contato com a credora

Informar à credora que não será possível arcar com as parcelas atuais da operação e solicitar uma nova renegociação é essencial e deve ser feito o mais rápido possível. Com isso, a empresa ou instituição financeira fará uma nova análise e, se possível, apresentará uma proposta de renegociação. Cabe, então, ao consumidor, avaliar se a quantia se encaixa em seu orçamento, sempre considerando que haverá outras dívidas e contas fixas a serem pagas e que, consequentemente, devem também se encaixar neste planejamento.

Faça pesquisas

Antes de fechar o acordo de renegociação, se optar por empresas que renegociam dívidas, confira se a mesma é confiável e possui autorização para atuar. Além disso, também cabe avaliar se a proposta é viável, através do Custo Total da operação, que apresenta o valor total que será pago, após a incidência de juros e outros encargos.

Confira 4 dicas para fazer um bom uso do 13º salário

Vale a pena pedir empréstimo para pagar a renegociação de dívida?

De modo geral, solicitar um empréstimo para pagar a renegociação de uma dívida parcelada, pode não ser viável. Isso porque, o consumidor deverá arcar com as parcelas do contrato em questão, além das prestações do crédito tomado, aumentando os riscos de inadimplência e quebra de acordo. No entanto, se o empréstimo permitir a renegociação da dívida com pagamento à vista, e o Custo Efetivo Total (CET) da operação for mais vantajoso que a dívida em questão se paga de forma parcelada, o empréstimo pode valer a pena.

Tem mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixa nos comentários. E para ficar por dentro desse e outros temas, não deixe de acompanhar a FinanZero por aqui e nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.

Próximo artigo

Como ganhar dinheiro no Natal: confira 10 ideias para uma renda extra

Veja dicas do que vender para ganhar dinheiro no Natal e aumentar a renda no final de ano. Saiba também como aumentar as vendas com marketin

Ler artigo completo

0 respostas para “Quebra de acordo: não consegui pagar as parcelas da minha dívida renegociada, e agora?”:

  1. Não existe nenhum comentário nesse post ainda. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Navegue por:

Benefícios do GovernoCréditoDestaquesFinanças PessoaisImpostosMercadoNegócios
PáginasFlip – Empréstimo para Pessoa JurídicaZippi – Empréstimo para Pessoa JurídicaJuvo – Empréstimo com garantia de celularBanco Inter – Crédito Consignado OnlineMycon – Consórcio OnlineFortBrasil – Cartão de CréditoSeguro de AutomóvelCrefaz – Empréstimo OnlineFinanciamento imobiliário – FinanZeroConsórcio de serviçosWill Bank – Cartão de Crédito OnlineBrasilCard – Cartão de Crédito OnlineQred: Empréstimo Empresarial OnlineCréditoJá – Refinanciamento de Imóvel OnlineNovo Saque: Crédito Pessoal OnlineFinnsaúde – crédito para saúdeConsórcio de imóveisConsórcio de automóveisApê 11 – Financiamento Imobiliário OnlineQindin – serviços onlineSuperdigital – serviços 100% onlineMister Money – Empréstimo onlineFinanZero- uma nova parceria ParcelexZanTomPay – Soluções em pagamentosZanTom – Empréstimo OnlineBLU365 – Empréstimo onlineTopsolus – Soluções financeiras online98 Pay – Soluções para pagamentosAqui Tem Cred – Empréstimo OnlineAmbler Bank – Empréstimo OnlineL&M – Consultoria em meios de pagamentoRodobens – Empréstimo com garantia de imóvelup.p – Antecipe seu FGTSJeitto – Crédito para pagar suas contas do mêsJBcred – Empréstimo Pessoal OnlineCentral da Visão – Procedimentos mais acessíveisQery – Empréstimo Pessoal OnlineVivo Valoriza EmpresasZema – Empréstimo Pessoal OnlineQista – Empréstimo Pessoal OnlineEmpréstimo com garantia de imóvelCapital Empreendedorhome 2022 teste abEmpréstimo com garantia de veículoEmpréstimo com Garantia de CelularEmpréstimo para MEISimulador de Empréstimo OnlineHome EquityEmpréstimo FGTSEmpréstimo para empresas
Solicite seu empréstimo