Gestantes e mulheres adotantes têm direito a receber um salário-maternidade para auxílio do afastamento de suas atividades

O salário-maternidade é um benefício assegurado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para todas as mulheres contribuintes durante a gestação, a partir do momento de afastamento por licença-maternidade, de nascimento da criança ou de declaração de ordem judicial de guarda de menor.

O auxílio é pago pela própria empresa para mulheres com carteira assinada. Para mulheres MEI (microempreendedor individual), empregadas domésticas e em regime de adoção, o pedido deve ser feito pelo site Meu INSS na internet.

Confira abaixo as principais dúvidas sobre o benefício.

Quem tem direito a receber o salário-maternidade?

Tem direito de receber as trabalhadoras registradas, empregadas domésticas e mulheres que contribuem pela guia do INSS com pelo menos 10 meses de contribuição (exceto empregadas domésticas e trabalhadoras avulsas, onde não há tempo mínimo de contribuição). O benefício é liberado no caso da segurada dar à luz, tirar licença ou receber a guarda de uma criança mediante a ordem judicial.

O que precisa para dar entrada no salário-maternidade?

Em caso de entrada pela empresa, a funcionária deve avisar o RH da gravidez e entregar o atestado quando for se afastar. Entretanto na adoção, ela deve entregar a ordem judicial de guarda da criança. A partir desse momento, os salários seguintes já serão salário-maternidade.

Para as demais categorias, basta criar o cadastro no Meu INSS com seus dados pessoais e digitalizar a certidão de nascimento ou a ordem judicial e fazer upload na área correspondente.

Veja também – Faça a simulação do seu crédito pessoal com segurança na FinanZero!

Qual é o valor pago pelo benefício?

O valor do salário-maternidade não pode ser inferior a um salário mínimo. De qualquer forma, o cálculo é feito conforme a condição da segurada. São elas:

  • Contribuinte individual, segurada facultativa e contribuinte especial: 1/12 das últimas 12 contribuições nos últimos 15 meses;
  • Empregada CLT e empregada doméstica: valor mensal da remuneração;
  • MEI: salário mínimo.

Confira mais clicando aqui – Meu INSS: veja quais são os benefícios disponíveis

Existe salário-maternidade para desempregadas?

Existem dois casos possíveis para desempregadas receberem o benefício:

  1. Se saiu da empresa grávida, tem direito de receber o auxílio maternidade da Previdência Social nos casos em que foi demitida por justa causa ou que tenha pedido demissão. Entretanto, se tiver sido demitida sem justa causa, a empresa tem a obrigação de pagar o salário-maternidade;
  2. No entanto, se não estava grávida quando saiu da empresa, o benefício é pago pela Previdência. Contudo, é necessário ter trabalhado por pelo menos 1 dia com carteira assinada entre a data de nascimento da criança e 14 meses e meio antes da data de nascimento para ter direito. Se tiver recebido seguro-desemprego, esse prazo de 14 meses e meio sobe para 26 meses.

Por quanto tempo são feitos os pagamentos?

Os pagamentos são contabilizados pela situação da criança. As possibilidades são:

  • Parto antecipado ou não: 120 dias;
  • Adoção: 120 dias;
  • Natimorto: 120 dias;
  • Aborto espontâneo: 14 dias.

Ficou com mais alguma dúvida sobre o salário-maternidade? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.