Cenário atual, considerado histórico de juro real zero, obrigou os investidores a diversificarem carteira e apostarem mais nas criptomoedas como Bitcoins

Os chamados investidores institucionais (fundos de pensão e Family Offices), viram-se num beco sem saída em 2020.

Um dos exemplos desse movimento foi visto no fundo Voyager, da gestora Hashdex. Destinado aos investidores institucionais, ele saltou de um patrimônio líquido de 5 milhões de dólares em janeiro para os 76 milhões de dólares no início de do mês de novembro. O que mostra uma alta de 147,53% em 11 meses.

Confira mais clicando aqui – Como investir em Bitcoin?

Porque houve esse crescimento no Bitcoin?

O crescimento se deu justamente durante a crise do novo coronavírus.

Essa mudança de pensamento nos investimentos já era realidade no exterior.

Enquanto, nos Estados Unidos, uma pesquisa realizada pela Fidelity Digital Assets com 800 investidores institucionais apontou que 80% deles consideram os ativos virtuais atraentes para seus portfólios. Sendo que 36% já investem nessa classe atualmente.

Essa onda em direção à renda variável alavancou, entre outros mercados, as criptomoedas.

A Bitcoin, uma das moedas digitais mais antigas, já acumula uma apreciação de 107% em 2020 ultrapassando a barreira dos 80 mil reais.

Prova disso é que por volta de 11h40 (horário de Brasília), a moeda estava cotada a 14,8 mil dólares (82,7 mil reais), alta de 5,15% no dia.

Com isso, para se ter uma ideia, desde o começo de 2018 a Bitcoin não estava tão valorizada na praça. Contudo, apesar de ainda estar distante das máximas de 2017, quando ultrapassou a marca dos 20 mil dólares.

Como funciona o limite do bitcoin?

Estima-se que o limite máximo de Bitcoins é de o valor total de 21 milhões, número definido pelo algoritmo do Bitcoin.

A moeda digital não é emitida por um banco central, mas sim minerada. Como o ouro, porém por um sistema de software decentralizado paga, a cada 10 minutos.

Um bloco de Bitcoins para quem resolver 1º uma série de operações de criptografia, que exige uma enorme capacidade de processamento.

Em primeira estância cada bloco vinha com 50 Bitcoins.

Contudo, desde 2012, o número de Bitcoins por bloco é reduzido pela metade a cada quatro anos. Entretanto, hoje cada bloco tem 12,5 Bitcoins.

Portanto, o número total de Bitcoins em circulação, no presente momento está na casa dos 17 milhões. E, ainda assim deverá crescer em um ritmo cada vez mais lento.

Veja também – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

Além disso, ficou com mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixe nos pra gente e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e, também, @finanzero no Twitter.