Criptomoeda, ou moeda digital, saiba como ela funciona e para que serve

Criptomoeda é um termo utilizado para nomear as moedas digitais, isto é, o dinheiro que circula somente na internet. Ou seja, o cidadão pode ter um valor de criptomoedas, mas elas não existem fisicamente. Portanto, não dá para pegar em mãos ou guardar na carteira, por exemplo.

Importante ressaltar que as moedas digitais são representadas por um código difícil de ser alterado, já que utiliza criptografia e a tecnologia de blockchain. Isso ocorre para garantir que as transações sejam feitas de maneira mais segura.

A negociação se dá pela internet, sem burocracias e sem intermédio. Isto é, não há uma autoridade financeira fiscalizando o processo, o que para muitos se torna algo negativo.

Leia mais – PIX: pagamento instantâneo. O que é e como funciona?

Para que servem as criptomoedas?

As criptomoedas têm basicamente as mesmas funções do que o dinheiro em espécie. Ou seja:

  • Servir como moeda de troca, e
  • Facilitar as transações econômicas.

O que é blockchain?

O blockchain é uma tecnologia, também conhecida como “protocolo de confiança”, que permite rastrear o envio e recebimento de algumas informações pela internet. A ideia é registrar as transações das criptomoedas, para tornar o processo mais seguro e confiável.

Basicamente, são pedaços de código que gerados online permitem carregar informações conectadas. Essas informações podem ser:

  • quantidade de moedas;
  • quem enviou;
  • quem recebeu;
  • quando a transação foi feita

Além disso, a cada período de tempo é formado um novo bloco de transações que se liga ao bloco anterior. Daí o objetivo de “informações conectadas”.

Confira mais – Taxa de desemprego na pandemia continua subindo. E agora?

Quais são os tipos de criptomoedas?

Assim como as moedas são variadas (real, dólar, libra, entre outras), as criptomoedas também oferecem uma variedade de tipos. As mais conhecidas e utilizadas são:

Bitcoin

O bitcoin é a moeda digital que mais se popularizou. Ele foi liberado em 2008, com o objetivo de substituir o dinheiro em papel, sendo o primeiro sistema de pagamentos descentralizado.

Etherum

O Etherum é uma plataforma online descentralizada desenvolvida para execução de contratos inteligentes – operações realizadas automaticamente mediante cumprimento de algumas condições. E todas as aplicações são pagas com a moeda digital conhecida como Ether.

Ripple

O Ripple é um protocolo de pagamento criado em 2011, que utiliza a moeda XRP. A característica principal desse sistema é suportar outros tokens de outras moedas, permitindo um pagamento instantâneo e seguro.

Litecoin

O Litecoin foi criado em 2011 por um ex-funcionário da Google e é considerada uma cópia melhorada do Bitcoin, já que a ideia é que o processo de transação da moeda seja reduzido quando comparado com o Bitcoin.

Regulamentação da criptomoeda

Em 2017, o Banco Central do Brasil publicou em seu site um comunicado sobre “os riscos decorrentes de operações de guarda e negociação das denominadas moedas virtuais”. O alerta informa que até aquele momento não havia sido identificado uma necessidade de regulamentação desses ativos.

No entanto, muitos são os que são contra essa falta de regulamentação de forma mais direta. A senadora Soraya Thronicke (PSL/MS), por exemplo, propõe a regulamentação do Bitcoin através do Projeto de Lei 4.207/20. A proposta é que as operações de Bitcoin fique sob controle do Banco Central e da Receita Federal.

Além disso, a senadora também pretende estabelecer normas para empresas que queiram atuar com a criptomoeda no Brasil. O projeto foi apresentado na última quinta-feira (13) e deve ser analisado pelo Senado Federal.

Veja mais – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

Ficou com mais alguma dúvida sobre criptomoedas? Deixe nos comentários, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.