(atualização: 27/03/2020) Modalidade de crédito emergencial com juros altos, o cheque especial geralmente é liberado pela financeira sem o cliente pedir

O cheque especial é uma modalidade de crédito disponível para a maioria das pessoas que possuem conta corrente. O produto financeiro fica disponível quando a conta do consumidor é zerada.

Para que a pessoa não fique com a conta negativa, a instituição financeira permite que o cliente continue a fazer suas compras ou pagar suas contas com um crédito extra na conta corrente.

De acordo com uma pesquisa realizada em setembro de 2019 pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), em conjunto com o SPC Brasil, 68% dos entrevistados que utilizavam o cheque especial, não haviam solicitado a liberação do crédito.

Além disso, 40% dos usuários do crédito extra recorriam ao crédito no fim de todo mês. Deste modo, este produto financeiro torna-se um dos principais aliados do endividamento.

Veja também – O que é e como funciona a conta corrente?

Como funciona o cheque especial?

Em julho de 2018, o Banco Central (BC) determinou algumas regras para o cheque especial:

  1. Clareza por parte dos bancos sobre qual é o valor real disponível em conta, e qual é o limite do crédito extra.
  2. Os clientes devem ser informados (por aplicativo, internet, telefone, dentre outros meios) sempre que entrarem no cheque especial.
  3. Todos os bancos são obrigados a oferecer, a qualquer hora, uma linha de crédito mais barata para parcelamento do saldo devedor do crédito extra.
  4. Para clientes que usarem 15% do limite do cheque especial por mais de 30 dias, os bancos devem entrar em contato com uma oferta de crédito barato (como empréstimo).

Qual é a taxa de juros do cheque especial?

A taxa de juros máxima que pode ser cobrada no cheque especial é de 8% ao mês, desde a determinação do BC que entrou em vigor em 6 de janeiro de 2020.

Assim, os juros anuais ficam entre 150% e 170%, percentual bem abaixo dos juros médios anuais antes da determinação: 305%.

Contudo, desde a mesma data o BC também liberou que as instituições financeiras pudessem cobrar tarifas na disponibilização do produto:

  • Para os clientes com o limite de até R$ 500, a cobrança não é válida;
  • Para os clientes com o limite de cheque acima de R$ 500, os bancos e fintechs podem cobrar 0,25% do valor que exceder R$ 500.

A cobrança da tarifa tornou-se válida para todos os correntistas que adquiriram o acesso desde o dia 6 de janeiro. Para os clientes que já possuíam o produto, utilizando-o ou não, a tarifa será cobrada a partir de 1º de junho de 2020.

Para conferir qual a taxa de juros de cada instituição financeira regulada pelo Banco Central, clique aqui.

Veja também – Simule seu empréstimo pessoal e receba ofertas pré-aprovadas em até 5 minutos!

Como cancelar o cheque especial?

Para cancelar o acesso ao cheque especial, o correntista deverá entrar em contato com o atendimento da financeira via Serviço de Apoio ao Cliente (SAC). Atualmente, os bancos e fintechs disponibilizam diversas formas de SAC:

  • por aplicativo;
  • internet banking;
  • telefone;
  • WhatsApp;
  • etc;

Ficou com mais alguma dúvida sobre o tema? Deixe nos comentários, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.