É só falar em dívidas que muitos lembram do cheque especial. Mas como ele funciona?

Há meses em que a conta simplesmente não fecha. Você está cheio de boletos para pagar, mas com quase nada de grana no banco ou na carteira. E agora, o que fazer? Desde já, e importante ressaltar que você é como boa parte dos brasileiros, é bem possível que, em algum momento, considere recorrer ao famoso cheque especial.

Apesar do nome diferente, ele nada mais é que uma das modalidades mais conhecidas — e usadas — de empréstimo.

O que é ? E como ele funciona?

Assim quando ouve falar em cheque especial, muita gente logo pensa nos antigos talões de cheque. Mas não é nada disso! Como dito acima, ficar no vermelho é, na verdade, um tipo de empréstimo que tem como diferencial a contratação automática do dinheiro.

Contudo, para quem ficou confuso, vamos a exemplos práticos. Digamos que você é correntista de um banco e chegou ao fim de determinado mês sem saldo suficiente para pagar o aluguel. Ou ainda: precisa fazer o saque de um valor maior do que o dinheiro que tem em conta.

Em qualquer um desses casos, em vez de bloquear a conta ou pagamento, o banco pode liberar um crédito automático que atenda suas necessidades imediatas.

Deste modo, o banco estabelece o limite — isto é, o valor máximo do crédito pré-aprovado — de cada cliente. Para contratar, basta informar estar ciente do empréstimo no momento do saque ou do pagamento do boleto.

Juros por que ele é considerado um vilão?

Logo, não ter que entrar em contato com bancos ou demais instituições financeiras para pedir um empréstimo, contar com o dinheiro rápido na hora em que você mais precisa… Parece um sonho, não é mesmo?
Ele pode ser tornar um grande pesadelo!

Desta forma, a facilidade do cheque especial tem um custo elevado.
Enquanto em 2018, a taxa média de juros do empréstimo pessoal foi de 6,27% ao mês, a do cheque especial ficou em 13,26% ao mês.
Ou seja, mais que o dobro! Além disso, de acordo com dados do Banco Central (BC), os juros do cheque especial subiram ainda mais em 2019.

A principio vamos supor que você tenha R$ 300 na conta e precise pagar o aluguel no valor de R$ 1000. Usando o cheque especial (R$ 700) por um mês, você vai pagar juros de R$ 92. Considerando que, em janeiro de 2019, a taxa anual de juros chegou a 315,6% ao ano, após 12 meses, os juros podem saltar para R$ 2.209. Como diz o ditado, o molho pode sair bem mais caro que o peixe!

Novas regras do cheque especial:

O que fazer para não entrar (ou para sair) do cheque especial com taxas de juros tão altas, não é difícil entender porque o cheque especial costuma estar entre as principais causas de endividamento dos brasileiros. Pensando nisso, em 2018, o Banco Central anunciou novas regras para o cheque especial. São elas:

  • Os bancos devem deixar claro no extrato qual é o valor real disponível em conta e qual é o limite do cheque especial.
  • Os clientes devem ser informados — por aplicativo, internet, telefone, etc. — sempre que começarem a usar o crédito.
  • Todos os bancos são obrigados a oferecer, a qualquer hora, uma linha de crédito mais barata para parcelamento do saldo devedor do cheque especial.
  • Para clientes que usarem 15% do limite do cheque especial por mais de 30 dias, os bancos devem entrar em contato com uma oferta de crédito mais em conta.

Do mesmo modo, as medidas estão em vigor desde julho do ano passado, e têm como objetivo ajudar as pessoas a saírem das dívidas para estimular a economia do país.

Entretanto, mesmo assim, antes de entrar no vermelho, vale considerar outras alternativas. Podendo, apesar de mais vantajosas, as linhas de crédito oferecidas para quitar o saldo devedor ainda costumam ter taxas de juros mais altas que as de outros tipos de empréstimos.

O que fazer para não entrar (ou para sair) do cheque especial?

Ainda mais antes das novas regras, o limite do cheque especial muitas vezes não ficava claro no extrato. Com isso, era comum clientes fazerem confusão e usarem o dinheiro como se fosse saldo em conta, sem estarem cientes dos juros. s mudanças, muitos ainda procuram essa modalidade de empréstimo pela facilidade. Afinal, o que fazer quando é preciso pagar um boleto e você está sem grana?

Bem como para quem se encontra nessa situação, uma dica é buscar uma oferta de empréstimo pessoal, que oferece crédito por até metade das taxas de juros cobradas pelo cheque especial. Ah, e se você acha que essa não é uma alternativa por conta da demora na liberação do dinheiro, é porque ainda não fez um pedido na FinanZero. Na nossa plataforma, você faz uma simulação e recebe até 10 ofertas de empréstimo pessoal pré-aprovadas em até 72 horas.

Já está no cheque especial? Pois saiba que a dica de buscar um empréstimo pessoal também é para você. Com ele, você poderá quitar o que deve ao banco por juros bem mais baixos e com parcelas que cabem no seu bolso.

Por fim, lembre-se de que a melhor maneira de evitar entrar no vermelho é organizar as finanças. Para isso, nunca gaste mais do que ganha e, de preferência, tenha sempre uma reserva de emergência para imprevistos. Assim, você não precisa recorrer ao banco e às instituições financeiras para sair do sufoco. Continue acompanhando nosso blog para dicas de como economizar e até de como ganhar um dinheirinho extra.