Em 27 de novembro, o Brasil terá a edição 2020 da Black Friday; saiba como comprar sem cair na chamada Black Fraude

Em pouco mais de um mês, o Brasil terá mais uma edição da Black Friday. Algumas empresas, como O Boticário, não usarão o termo com o argumento de um sentido racista na expressão, mas a data, conhecida por ser uma sexta-feira de descontos e promoções, segue sendo uma aposta do comércio no país.

Nos anos anteriores, no entanto, a sexta de preços baixos foi alvo de muitas críticas. Surgiu de preços aumentados nas semanas que antecederam a data e descontos irrisórios na Black Friday o termo Black Fraude.

Muitos usam a frase “metade do dobro” para resumir o sentimento de enganação que a data gerou no Brasil. No entanto, é possível ter uma Black Friday de descontos de verdade.

Setembro amarelo: o que é burnout, a síndrome do trabalho

Passo 1: Faça uma lista do que precisa e de quanto tem para gastar

Ter em mente o que é de fato necessário é um excelente primeiro passo para que as etapas seguintes sejam mais simples e demandem menos energia.

Caso você tenha necessidades e também desejos de compras para essa Black Friday, faça com que essa lista tenha uma ordem de prioridade – do mais importante para o menos.

Além disso, estabeleça quanto pode gastar, tanto no cenário parcelado quanto à vista.

Entenda: ICMS: o que é e como funciona?

Passo 2: Acompanhe preços antes da Black Friday

Tem a lista do que é imprescindível comprar? Sabe quanto pode gastar? Beleza! Agora você pode começar a acompanhar, desde já, os preços desses produtos.

Dessa forma, você pode garantir que o valor não está subindo para, no dia, voltar a um patamar normal. É a melhor forma de não comprar pelo “dobro da metade” na Black Friday.

Peça uma cotação grátis e receba ofertas de empréstimo pessoal de até 10 parceiros FinanZero!

Passo 3: “O desconto é maior se não comprar”

Se você já assistiu ao seriado “Todo Mundo Odeia o Chris” deve se lembrar de Julius, pai do personagem principal. Ele é conhecido como um homem econômico e tem como mote a seguinte frase: “O desconto é maior se eu não comprar”.

Julius tem razão. Se não há necessidade de comprar e nem desejo, não vale adquirir um produto – nem se ele estiver com um preço em conta por causa da Black Friday.

Leia também: Pedalada Fiscal: o que é e como impacta o país?

Passo 4: Pesquise preço entre sites

Já é Black Friday e você sabe o que quer, assim como quanto quer gastar. Ótimo! Agora, entre em todos os sites confiáveis e entenda qual deles tem o melhor preço e/ou as melhores condições de pagamento.

Nessa hora, é prudente pecar pelo excesso. Buscadores como o Buscapé e o Zoom também ajudam na missão, especialmente na Black Friday! Tenha certeza de que comprará o que precisa (ou o que quer) com o menor custo-benefício.

Veja também: Setembro amarelo: como cuidar da saúde mental e financeira?

Passo 5: Confira formas de pagamento na Black Friday

Se à vista há desconto e você tem esse dinheiro em mãos, pagar dessa forma é uma boa opção. Caso seja o mesmo valor entre parcelado e em uma única vez, vale parcelar e investir o dinheiro total.

Além disso, entenda se há desconto no pagamento em cartão de crédito, mesmo que à vista, e boleto. Em geral, boleto sai um pouco mais em conta. Tenha em mente, no entanto, que o tempo de aprovação do pagamento incide no prazo de entrega, que já é um pouco maior na Black Friday.

Leia mais: Exportações do agronegócio paulista aumentam 10,7%

Não quer cair no erro da Black Fraude? Comente suas dúvidas e suas dicas!

Siga a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.