Setembro amarelo é o mês de prevenção ao suicídio que demonstra a necessidade de cuidar bem da saúde mental

Muitas vezes problemas financeiros podem iniciar quadros de depressão levando até mesmo ao suicídio. Atualmente o número de inadimplentes no Brasil já chega quase ao 63 milhões, segundo últimos dados divulgados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) de 2020.

O presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, afirma que o dinheiro pode sim ter uma parcela de culpa na depressão, porém deve ser um meio e não o fim. “Sempre pode haver uma saída para quem está com problemas financeiros. Às vezes chegar ao fundo do poço financeiro pode ser a solução para poder recomeçar do zero e mudar definitivamente de vida”.

Veja também – Coronavírus: Como manter a saúde mental na quarentena?

Quais as causas do desequilíbrio financeiro?

A facilidade de crédito e a falta de educação financeira são os principais aspectos para que as pessoas não respeitem o seu padrão de vida e acabem consumindo compulsivamente, sem conseguir sair dessa situação e se enrolando cada vez mais com as contas. Além disso, a relação conturbada as finanças pode mostrar que o dinheiro desenvolve um papel maior do que deveria na vida das pessoas.

Com isso, os impactos desse desequilíbrio financeiro são muito mais amplos, atingindo não somente a pessoa que se descontrola, mas também a família, os amigos e até a empresa em que trabalha. Isso pode acontecer mesmo com aqueles que ganham bons salários, pois quanto mais se ganha, mais se gasta.

Como começa o desequilíbrio da saúde financeira?

Comprar com compulsividade pode se tornar uma válvula de escape para esquecer dos problemas. Portanto é importante voltar a ter sonhos e relacioná-los pode ajudar as pessoas a entenderem o conceito da educação financeira e a mudarem seus hábitos com relação ao uso do dinheiro. Uma pessoa que não tem seus objetivos bem definidos não vê sentido em poupar. Sendo assim, quando poupa, fica vulnerável a gastar com coisas supérfluas, consequentemente entra em dívidas.

Veja também – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

Como melhorar a saúde financeira?

Educação

Uma das melhores maneiras de evitar que os mesmos erros do passado se repitam é se munir de conhecimento. Como?

  • Cursos de finanças;
  • especializações e outras qualificações são ativos que podem ajudá-lo não só a corrigir o que precisa ser corrigido.
  • Além disso, servem para se preparar para agir de maneira mais consciente em situações futuras.

Quite suas dívidas

Nada como ter a sensação de um recomeço sem dívidas, certo? Com o orçamento controlado, é hora de analisar seus débitos e dedicar seus esforços para quitá-los. Eliminar essas pendências da sua lista e da sua mente proporcionará um grande alívio e maior bem-estar.

Com esse passo concluído, você pode começar a dedicar uma porcentagem da sua renda para montar uma reserva de emergência. Dessa forma, é possível até mesmo começar a investir.

Orçamento

Para melhorar a saúde financeira e, consequentemente, a saúde mental é ter uma visão realista das suas necessidades ao controlar com consciência todos os seus gastos e também suas receitas.

Esse controle serve para que você conheça seu estilo de vida e identifique com clareza suas maiores fontes de gasto. Assim, é possível fazer os devidos ajustes. Mudar hábitos de consumo nem sempre é uma tarefa simples. Mas é fundamental para colocar as finanças em dia e cuidar do seu planejamento pensando em quitar dívidas e atingir objetivos futuros.

Veja também – Como organizar seus gastos e garantir sua saúde financeira

Ficou com mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixe nos comentários, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.