Registrar os seus gastos pode melhorar (e muito!) a sua vida.

Organização é a palavra de ordem para quem quer ter uma saúde financeira estável e, por que não, rentável. Gastar sem limites ou controle, não ter noção de quanto dinheiro entra e sai da sua conta, fazer dívidas e mais são atitudes prejudiciais para quem procura uma estabilidade financeira. Aí, no final das contas, você acaba tendo que pedir um empréstimo, o que depende de inúmeros fatores – tipo o número do seu score, como falamos aqui.

Planilha de gastos: por que?

Confiar na memória é muito difícil. Às vezes a gente acha que vai lembrar de tudo o que gastou, mas as chances de isso acontecer são bem pequenas. Por isso, vale anotar tudo o que você consumiu na plataforma que você quiser. Existem diversos modelos de planilhas espalhados pela internet, então vale procurar a que mais te agrada. Se você for do tipo que gosta de papel e caneta, não tem problema! É só anotar tudo no caderninho.

O que eu coloco na minha planilha?

Absolutamente tudo! Refeições, mercados, compras, remédios, aluguel, contas, aquela passadinha no bar com os amigos…Todos os gastos que você tiver, por menores que sejam, valem ser registrados – afinal, eles fazem muita diferença no final do mês.

Gastos fixos

A planilha não é só para ser anotada e ficar lá parada, viu? É uma maneira de você saber como é o seu perfile se antecipar. Anote os gastos fixos mensais, como aluguel, telefone, gás, eletricidade, contas e os valores de cada um. Você já saberá que, todo mês, precisará desembolsar esse valor para ficar com as contas em dia.

Gastos variáveis

Se você tem os gastos de todo mês, também tem aqueles que não têm um valor exato, mas são diários, não é? Almoços, uma comprinha no shopping, um remédio, consulta médica são gastos que podem acontecer durante o mês. Não esqueça de anotar para poder se programar e perceber possíveis excessos antes que seja difícil contorna-los.

Reserva para emergências

Se você ainda não tem uma reserva, comece agora! Separe um valor do seu salário, nem que seja R$ 100, e guarde ou invista. A gente nunca sabe o que pode acontecer, e ficar sem dinheiro pode acarretar numa dor de cabeça tamanha. Esse valor não entra na sua planilha pois é um dinheiro que você não pode “contar” no dia a dia – serve apenas para imprevistos.

Periodicidade

Você pode fazer a planilha do jeito que achar melhor. É sempre bom monitorar de perto os seus gastos, então a planilha diária é uma alternativa. Ao fim de cada mês, some quanto saiu e quanto entrou e faça um balanço. Esse valor pode entrar em uma segunda planilha, a mensal/anual. Se você começar a acompanhar as suas finanças, vai ficar mais fácil perceber as mudanças, em quais meses você gastou mais, menos, e se preparar para essa tendência no próximo ano.

Será que o que eu ganho basta?

Organizar a planilha também te dará uma visão de como são os seus gastos x quanto você ganha. Se essa conta não fecha, talvez seja necessário pensar em algumas alternativas para mudar o seu padrão de vida, ou sua fonte de renda. Ter mais controle das suas decisões monetárias te traz independência financeira.

Metas para que te quero!

Agora você já sabe quanto gasta e quanto ganha, tem uma visão monetária organizada e maior controle do seu dinheiro. Que tal estipular um teto para os seus gastos mensais? Analise o que é supérfluo e essencial, crie um limite mensal e tente manter-se dentro dele.