A falta de planejamento de um empréstimo pode até ser o motivo pelo qual você está em busca de um empréstimo. Como exemplo, talvez você não tenha tido disciplina para juntar dinheiro para viajar nas férias. Ou, quem sabe, não conseguiu fazer uma reserva financeira de emergência e acabou surpreendido por gastos altos e inesperados.

O fato é: não importa qual seja o seu motivo para precisar de um empréstimo, nada justifica não se planejar para pagar as parcelas dele. Afinal, a última coisa que você quer é ter que pagar multas e juros por atrasos! Mas, como fazer esse planejamento?

Na internet, quando você busca por dicas de como se planejar antes de um empréstimo, uma sugestão que sempre aparece é fazer uma planilha de gastos.

Mas, convenhamos, nem todo mundo tem esse grau de intimidade com o Excel ou sabe o que levar em conta na montagem da planilha. Por isso, aproveitamos este post para explicar tim-tim por tim-tim como você pode fazer isso.

Veja também – Faça a simulação do seu crédito pessoal com segurança na FinanZero!

Planilhas prontas: essencial para o planejamento de um empréstimo

Começamos com uma notícia boa: é possível encontrar diversos modelos prontos de planilhas de gastos na internet. Com elas, você só precisa baixar o arquivo no seu computador e preencher cada campo, de acordo com as suas informações. Em geral, esse tipo de planilha já vem com as fórmulas prontas, calculando seu saldo com base nos gastos e despesas.

Entre as opções de planilhas de gastos mais famosas, estão as planilhas disponibilizadas pela BM&FBovespa e pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC).

O modelo da Bovespa é bem simples e conta com informações básicas, como receitas e despesas, sendo que as últimas são separadas em fixas, variáveis, extras e adicionais. Já a planilha do IDEC é bem mais detalhada, exigindo um pouco mais de dedicação e de conhecimento na hora de preencher os dados. Dê uma olhada nelas e veja se funcionam para você.

Outra opção ainda, para quem ainda prefere a moda antiga e gosta de anotar tudo à lápis, é o livro “Kakebo: agenda de finanças pessoais”, que te ensina a anotar todos os seus gastos e a fazer um planejamento de um empréstimo economicamente. Escrevemos um post específico sobre este método japonês que ficou conhecido no mundo todo! Leia aqui (link).

Passo a passo do planejamento de um empréstimo

Por mais que pareçam práticas à primeira vista, nem sempre as planilhas de gastos prontas são as mais indicadas. Dependendo do seu estilo de vida, alguns elementos podem não fazer sentido no seu dia a dia. Além disso, começar uma planilha financeira do zero pode ser bom para ter um documento personalizado. Confira algumas dicas de como fazer isso.

Comece com uma planilha de gastos mensal

Alguns especialistas recomendam o registro diário de todos os gastos, mas sabemos que a tarefa exige bastante disciplina, o que não é fácil para quem nunca teve esse hábito.

Por isso, nossa primeira dica é começar fazendo uma planilha mensal. Até porque, se você está fazendo o planejamento de um empréstimo, o objetivo da planilha é ter uma ideia da sua média de gastos. Assim, ficará mais fácil saber se a parcela do crédito cabe no seu orçamento.

Para dar início à planilha, abra o Excel ou Google Sheets no seu computador. Pule as colunas A e B, e comece a escrever os meses na primeira linha, da letra B à letra M.

Liste todas as suas receitas

Para manter as finanças em dia, é preciso fazer um balanço entre o dinheiro que você ganha (receitas) e o dinheiro que você gasta (despesas). Logo, essas são as informações mais importantes da sua planilha.

Normalmente, fazer o registro das receitas é simples, já que, muitas vezes, elas vêm de uma única fonte e correspondem ao seu salário. Mas, digamos que você venda pão de mel no trabalho para complementar a renda, o dinheiro que você ganha em determinado mês também deve entrar na conta.

Para isso, escreva “Receitas” na segunda linha da coluna A, e comece a listar todos os seus ganhos na coluna B. Inclua tudo: salário, bicos que você faz de vez em quando, aposentadoria, etc. Quando tiver terminado de listar todas as possibilidades, escreva “TOTAL”. É nessa linha que ficará o acúmulo dos seus ganhos a cada mês.

Agora vem o pulo do gato! Para não precisar ficar fazendo contas, clique na célula de “total” correspondente a cada mês e utilize a fórmula de SOMA, presente na opção função (ou fx), para saber os ganhos totais de forma automática.

Confira mais clicando aqui – Crédito Pessoal: como fazer o pedido?

Enumere e separe suas despesas

Sem dúvidas, esta é a etapa mais difícil. Isso, não só porque é preciso encarar de frente os seus gastos, como também porque eles costumam ser bem mais numerosos que as receitas. Para ficar mais prático, o ideal é separar as despesas em 3 tipos principais:

  • Despesas fixas: são aquelas que não mudam de um mês para outro, como aluguel, Internet, TV a cabo, plano de saúde, mensalidade escolar, entre outras.
  • Despesas variáveis: este tipo de gasto também ocorre mensalmente, mas com valores diferentes. É o caso, por exemplo, de contas de luz, água, combustível, supermercado, etc.
  • Despesas adicionais: aqui, entram todas as despesas que não ocorrem todos os meses e que são opcionais, como gastos com lazer, compra de roupas, e por aí vai.

O objetivo de separar os gastos por tipo é que, dessa forma, é mais fácil identificar onde você pode “enxugar” despesas rapidamente. Nesse sentido, é claro que, se a grana anda curta, é possível procurar um outro apartamento com aluguel mais em conta ou mudar as crianças de escola.

Mas, antes disso, vale a pena tentar fazer mudanças nas despesas variáveis e adicionais, trocando a gasolina aditivada pela comum ou procurando opções de lazer gratuitas, por exemplo.

Veja quanto de dinheiro sobra na conta ao fim do mês

Agora que você já registrou suas receitas e despesas, é só fazer as contas para descobrir quanto ficou de saldo. Para isso, some o valor de todas as despesas e registre na planilha — você também pode usar a fórmula de soma para chegar ao resultado.

Em seguida, subtraia o total de todas as despesas do total de receitas. O valor da diferença representa quanto você costuma ter de grana disponível no fim do mês para encaixar a parcela de um empréstimo.

O ideal é que a parcela não comprometa todo esse valor. Lembre-se de que ninguém está a salvo de imprevistos! Na verdade, as parcelas não devem ser maiores do que 30% do valor da sua renda mensal. O legal de adquirir o hábito de controlar seus gastos em uma planilha é que ela facilita perceber como você tem gastado seu dinheiro.

Dessa forma, você descobre onde é possível economizar para pagar por um empréstimo com mais tranquilidade ou mesmo para começar a guardar dinheiro para investir.

Seguindo nossas dicas você estará mais apto para fazer o planejamento de um empréstimo.

Ficou com mais alguma dúvida sobre planejamento de um empréstimo? Deixe nos comentários, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.