Confira dicas de como se organizar financeiramente durante a faculdade

O início da vida adulta pode trazer muitas transformações, desde crescimento pessoal até aprendizado profissional. Para muitos, ingressar em uma faculdade é sinônimo de conhecimento e independência.

No entanto, assim como em outras fases da vida, é preciso organização financeira. Pensando nisso, Luana Velez, Analista Financeira da FinanZero, veio nos contar sua experiência como estudante de Ciências Contábeis.

Veja mais – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

“Eu faço faculdade de Ciências Contábeis e estou no último ano, mais especificamente no 7º semestre. Quando era estagiária o que eu mais investia era em cursos:

  • online;
  • excel;
  • relacionados a área que quero seguir; e principalmente
  • cursos extracurriculares da faculdade.

É um tipo de investimento para minha vida profissional. Eu fiz alguns pela minha faculdade, mas muitos foram cursos de baixo custo, por exemplo, que por conta de você ser universitário sai mais barato.

Investir em si mesma, principalmente em crescimento profissional, é bem interessante, ainda mais a gente que está começando agora.

“Toda oportunidade de trabalho é válida”

Eu acho que se o estudante realmente precisa buscar um emprego nos primeiros semestres é uma ótima oportunidade de crescimento profissional.

Vejo até pelos meus colegas de classe: quem começou estagiando nos primeiros semestres conseguiu ser efetivado e entrar em empresas melhores no decorrer do curso de forma mais rápida.

Então, se você tem interesse e vontade de se organizar para conseguir trabalhar e estudar ao mesmo tempo, isso é ótimo. Eu acho super válido para o crescimento profissional.

Todo aprendizado, independente de você ter achado uma área específica ou não, é muito bom.

Tenho colegas que trabalharam em diversas áreas e só agora no final do curso que se acharam. E está tudo bem.

“Desde o seu primeiro salário é interessante você já se organizar”

Isso porque, por mais que a gente ainda seja novo, se você se organizar entre sonhos, lazer e aposentadoria pode te ajudar lá na frente.

Por isso, se você for uma pessoa que consegue se organizar por conta própria, pode fazer uma poupança separada só para previdência, mas também existem corretoras que fazem previdência privada, com valor de contribuição mais baixo.

No entanto, a porcentagem que você vai separar para cada coisa depende muito das suas necessidades e do seu gosto pessoal. Não importa o valor, só o fato de você conseguir fazer aquele seu pézinho de meia, o quanto antes, já é válido.

“Passe tudo para o Excel!”

Eu prefiro anotar tudo no Excel, mas tenho amigas que preferem agendas. Isso é muito pessoal. Por isso, é muito importante que você se conheça.

O primeiro passo é entender em qual lugar você está gastando mais. Começa a separar: o que é gasto de transporte? Festa? Salão de beleza? Faz uma conta mensal e soma tudo.

Quando você vê o valor quebrado não tem muita noção do que está acontecendo. Você vai pedindo Uber, por exemplo, e não percebe.

Um bom guia para saber o que cortar é olhar primeiro os valores mais altos e quais são as suas prioridades. Não ter controle de tudo isso pode virar uma bola de neve.

Veja se seus gastos fazem sentido. Se pergunte: “estou gastando R$ 200 em festas da faculdade, faz sentido para mim?” A gente não deve deixar de frequentar as festas, ou de se divertir, mas não dá para ir todo final de semana. Priorize seus sonhos!

Além disso, no caso dos gastos da faculdade, sempre tem alguma coisa que pode te ajudar. Pegue livros da própria biblioteca ou faça uma troca com os seus amigos.

“O que eu mais vejo é o pessoal se endividando em cartão de crédito”

Cartão de crédito é uma coisa muito boa, mas tem que saber usar. Você tem que ter um controle.

Existem os pontos positivos, como acumular pontos e trocar por viagens ou pagar contas. No entanto, se você for uma pessoa que gosta muito de comprar e gastar, o indicado é que você não faça cartão de crédito. Principalmente agora no início da sua jornada.

Se você for fazer um cartão de crédito comece com um limite um pouco menor e vá sentindo se é uma pessoa que sabe lidar com ele. Isso porque eu já vi muitos amigos negativados com 18, 19 anos por conta dessas dívidas.

“É super importante a gente já ter essa consciência financeira desde o primeiro salário”

É bom montar uma reserva de emergência em uma poupança ou no CDI (Certificado de Depósito Interbancário), por exemplo.

No entanto, estipular um valor como objetivo é algo muito pessoal. Mas, depois que chegou nessa quantia, você pode fazer investimentos mais ousados.

Faz primeiro seu pé de meia, com o valor que tem em mente, e aí você pode brincar um pouco mais com investimento, sabendo que tem algo seguro guardado”.

Ficou com mais alguma dúvida sobre organização financeira? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.