Para reformar ou construir algo na sua casa é preciso se planejar financeiramente com certa antecedência

Reformar a casa, construir cômodos novos e começar uma obra. Parece tudo uma dor de cabeça, principalmente quando falamos de colocar os gastos na ponta do lápis.

A Ligia Souza, Assistente CS Junior aqui da FinanZero, está passando por tudo isso durante a quarentena. Por isso, pedi para ela dar uma ajudinha para a gente. Confira as dicas dela:

Veja mais – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

“No início do ano, meus pais decidiram aumentar a casa e fazer outro quarto e um novo banheiro, não tinha pandemia, estava tudo certo. Só que assim que terminamos esse cômodo eles decidiram aumentar a casa e fazer na parte de cima. Não que a casa seja tão pequena, mas para ter mais espaço.

Meu pai foi ver com o pedreiro a questão de orçamento e o quanto ele ia cobrar. Aí entra a parte que a gente chora: é muito caro construir ou reformar uma casa.

Ficou muito caro, mas a gente decidiu desde o início que quem iria ajudar seria: meu pai, eu e meu irmão. Antes mesmo de o meu pai fechar com o pedreiro a gente foi ver o quanto cada um tinha e com quanto cada um podia ajudar.

Um dos pontos positivos é que a gente começou a reformar e construir logo que entrou a pandemia. De fevereiro para março meus pais, fizemos o quarto deles e, na época, um saco de cimento saía a R$ 22. Hoje, você não encontra por menos de R$ 30, é uma boa diferença.

A gente começou a colocar tudo no papel, principalmente gastos com pedreiro e ajudante. O que foi fundamental no início era que a gente já tinha decido o que ia fazer e definimos como cada um ia ajudar.

“A diferença de preço comparado a três meses atrás está muito grande”

Também tem o ponto negativo de fazer durante a pandemia: a mão de obra ficou mais cara, assim como o material. A gente não imaginava que tudo ia aumentar.

E ainda temos outros gastos pessoais, por isso, minha família teve que recorrer a um empréstimo e aos investimentos que eu tinha guardado. Isso porque lá atrás comecei a poupar e investir, pensando que depois de uns dois anos eu precisaria desse dinheiro.

Além disso, a gente deu preferência para pagar sempre no dinheiro. Se você compra muita coisa e está com dinheiro em mãos, a diferença é grande, às vezes dá até R$ 100 e toda economia é bem-vinda.

“Sempre brinco: casa não é uma roupa que você não gosta e pode trocar”

Você tem que procurar produtos de qualidade e pegar uma pessoa de confiança para trabalhar.

Além disso, é preciso entender que não é só comprar uma janela que foi R$ 100 a mais ou a menos. Eu vou comprar uma janela que vai trazer mais segurança, que naquele ambiente vai ficar adequado, tem toda essa questão.

Algumas coisas também compensam comprar pela internet. A gente fez o cálculo para saber o valor com o frete e para saber se ia valer o material também.

A preferência é sempre comprar produtos de média a boa qualidade. Isso porque lá na frente vai ser uma coisa que vai durar mais. É preciso saber a diferença de preço, mas a diferença de material também. Nem sempre o mais caro é melhor.

“Sempre vai surgir uma coisa que vai ter que gastar um pouquinho a mais”

Por isso, é importante fazer um planejamento financeiro e do que você precisa para reformar ou construir a casa. Tem que colocar na ponta do lápis tudo isso.

“Ah, vou precisar de tanto material”. Mas e se precisar de algo a mais? Você consegue pagar?

Planejar é fundamental. Principalmente se você vai construir ou reformar em família: você vai dividir entre as pessoas, mas quem vai arcar com o quê? Como que vai ficar a divisão de valores?

Além disso, saiba desde o início o que você quer fazer: você quer construir mais cômodos ou reformar alguma área? Tenha seu objetivo em mente e calcule o que vai precisar para fazer isso.

A gente não teve tanta dor de cabeça por termos nos planejado durante um certo tempo. E já imaginávamos algumas surpresinhas ao longo do caminho.

“É importante colocar alguém de confiança na sua casa”

Isso porque além de a obra poder ser uma dor de cabeça, ou dar errado, muitas vezes você vai contratar um serviço que não entende, que não está habituada a lidar no dia a dia. Por isso, acaba acreditando no que a pessoa fala que precisa comprar.

Seja muito sincera com ele: “tenho tanto para pagar, dá para fazer?”. Pode ser que role um desconto ou novos meios de pagamento.

Pense também qual acordo é melhor: pagar por dia? Pagar pela obra toda em si?

Você quer construir ou reformar, mas você tem que colocar na balança o quanto pode gastar. Muitas vezes você pode ter que abrir mão de algumas coisas. Cada um sabe da sua necessidade.

Obra não dá para fazer no desespero e na pressa, ao menos que surja um problema, uma emergência.

“Investir para construir uma casa pode valer a pena”

Vale a pena por poder gastar e pagar tudo à vista e muitos locais e depósitos te dão desconto se pagar dessa forma. Você não acumula dívidas por pagar na hora, melhor do que estourar o limite de cartão de crédito, por exemplo.

Eu sempre mentalizo: cartão de crédito tem que ser para uma necessidade.

“Do meu ponto de vista, pegar empréstimo pode valer a pena se você vai fazer uma obra grande”

Isso porque você vai precisar de mais material e mais mão de obra. No entanto, para reformar ou construir algo que não tem urgência, talvez não valha a pena. Você tem que avaliar a sua necessidade e condições”.

Ficou com mais alguma dúvida sobre organização financeira? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.