Para aqueles que pensam “estou endividado” e logo sentem um suor frio, nossa primeira dica é manter a calma. Dívidas chegam a ser sinônimo de desespero, mas a gente te explica que é possível renegociá-las e sair do vermelho.

Ninguém está imune de fazer algumas dívidas. Por mais organizado que você seja, pode ser que aconteça uma escorregada aqui, um gasto excessivo ali e pronto: já se endividou. Se você tem condições de quitar essas dívidas bem rápido, não hesite em fazê-lo. Mas, caso contrário, é possível que elas só aumentem, aumentem, aumentem… E aí, o que fazer?

Não precisa ficar desesperado! Uma bela alternativa e muito utilizada é a renegociação de dívidas. Com algumas dicas, você consegue dar uma respirada e se organizar melhor para deixar sua condição de endividado.

Está endividado? Organize-se!

Antes de tomar qualquer decisão, é preciso saber: quanto você deve? Separe o papel, a caneta ou a planilha do Excel e comece a registrar absolutamente todos os seus débitos, por menores que sejam. Dessa forma, é possível ter um panorama geral de qual é a situação e partir para a resolução.

Ainda nesse fluxo de planilhas, aproveite para dar aquela olhada no seu orçamento mensal. Nós ensinamos como fazer um aqui, dá uma olhadinha. Assim, você também tem uma noção de quanto da sua renda pode ser usada – ou não – no processo de quitação.

Priorize os pagamentos

Definir prioridades é bem importante para não se perder em quais dívidas quitar primeiro. Se puder escolher, opte por aquelas vinculadas à casa ou o carro – assim, você não corre o risco de perder esses bens de primeira necessidade para o banco.

Escolha a sua estratégia e tire todas as suas dúvidas. Na hora de negociar, vale perguntar tudo: se pagar à vista tem desconto, quanto de juros serão adicionados caso o valor seja parcelado, em quanto tempo a situação será regularizada, se receberá uma carta de quitação. É importante deixar tudo bem explícito para não ter ruído na comunicação depois.

Reserve uma parte da sua renda para esses pagamentos, mas não muito. No desespero de deixar a condição de endividado, podemos acabar fazendo novas e entrando em uma bola de neve. O ideal é que esse valor corresponda no máximo a 30% da renda líquida – mais do que isso pode prejudicar o seu orçamento.

Evite buscar crédito fácil e cair em golpes

No desespero, podemos acabar recorrendo a alternativas ditas milagrosas, como crédito fácil ou produtos que prometem te ajudar. Tome muito cuidado! Essas opções podem ter taxas implícitas que vão te atrapalhar mais do que solucionar seus problemas. É melhor você se organizar e tentar deixar de estar endividado com parcelas mais extensas do que recorrer a soluções imediatas. Saiba que alguns credores renegociam até 80% da sua dívida, então nada de decisões precipitadas.

Dito isso, também preste atenção nos descontos. Sempre ir atrás dos menores valores é excelente, porém vale mais a pena pagar um valor mais alto se o tempo de quitação for menor. A ideia é se livrar o mais rápido possível e sem gastar muito nas dívidas.

Se depois de todas as alternativas, você ainda não conseguir quitar seus débitos, considere pegar um empréstimo. É uma alternativa que também envolve gastos, porém com juros menores e taxas mais acessíveis. É preferível trocar aquele monte de juros, taxas e multas gigantescas por valores menores do empréstimo.

Está endividado? A FinanZero te ajuda!

Se você não sabe qual tipo de empréstimo recorrer, vem falar com a gente! A FinanZero é especialista em encontrar o empréstimo que mais se adéqua às suas necessidades, e o melhor é que é gratuito. Uma boa coisa de ser ler, não é? Negocie suas dívidas e saia do vermelho: é o primeiro passo para investir em uma estabilidade financeira saudável.