Na segunda-feira, dia 25 de março, a revista online Exame publicou uma matéria sobre uma pesquisa que nós, da FinanZero, realizamos com os nossos clientes. Para quem não sabe, a Exame é uma revista brasileira que pertence a Editora Abril e teve sua primeira reportagem lançada em julho de 1967. Atualmente, ela é referência na área de negócios, bem como nos campos econômico, tecnológico e político.  Além disso, como o mundo moderno trouxe transformações e mudou os padrões de consumo dos leitores, a Exame criou a sua versão online, de forma que os internautas conseguem ler as suas produções pelo celular enquanto estão a caminho do trabalho ou na hora do almoço, por exemplo.  Dito isso, é com muita felicidade que recebemos a notícia sobre a segunda publicação na Exame sobre a FinanZero!

            Bem, se você está ansioso para saber qual foi o foco da nossa pesquisa, não se preocupe, que a gente vai te contar! Como você já deve saber, a FinanZero é um buscador de empréstimos online, ou seja, nós temos parceria com diversas instituições financeiras que fazem uma análise dos perfis dos nossos clientes e pré-aprovam ou não os seus pedidos de empréstimo. Esta análise é feita com base nos dados que nos são fornecidos no cadastro, e que possibilitam aos bancos e financeiras ver se a pessoa recebe de fato o que alega receber, se ela costuma pagar as suas contas em dia, se e com quem ela tem débito, e como é a movimentação da conta dela em geral. Mas, vale lembrar que este procedimento é totalmente seguro, pois as empresas não conseguem mexer na conta do cliente ou fazer qualquer alteração nela.

            Então, acreditamos que fosse importante, tanto para nós, quanto para aqueles que desejam utilizar o nosso serviço, saber qual era o perfil ideal para as instituições financeiras. Ou seja, quais são as características dos brasileiros e brasileiras que, normalmente, têm seus pedidos de empréstimo aceitos? Para saber a resposta, fizemos um cruzamento de dados de 80 mil clientes cujos pedidos de empréstimo foram aprovados pelos nossos parceiros.  Verificamos quais os tipos de profissão cujas porcentagens são maiores, bem como os estados civis, graus de instrução, tipos de conta e, por fim, quais os motivos do pedido que eram mais bem aceitos pelos bancos e financeiras.

Vimos que 30% dos funcionários de empresas privadas conseguem um empréstimo sem burocracia, cerca de 27% dos funcionários públicos, 22% dos profissionais liberais, 20% dos aposentados e 19% dos autônomos também.
Agora analisando o estado civil dos clientes aprovados, temos 28% sendo casados, 27% divorciados e 23% solteiros, ou seja, o estado civil de cada persona aqui é muito próximo em porcentagem ao o outro.

Quanto ao tipo de residência, as pessoas que têm as melhores taxas de aprovação para obter empréstimos possuem casa financiada (35%). Quem tem casa própria (26%), casa de familiar (24%) e imóvel alugado (24%) tem mais dificuldades.
Quando analisamos o grau de instrução vimos que existe uma grande discrepância em relação a pessoas com um maior grau de instrução e aquelas com baixo. Sendo os pós-graduados se destacam (44%). Somente 33% dos graduados, 22% dos que têm segundo grau completo, 19% dos que têm primeiro grau e 17% dos que não têm instrução formal são aprovados.

Porém ao analisarmos os clientes com um maior potencial em ter seu empréstimo encontramos personas com conta corrente com cheque especial (42%) e conta corrente sem cheque especial.  E apenas 19% dos que têm conta salário (a qual lembrando que não aceita o depósito de empréstimo) e 16% dos que têm poupança conseguem empréstimos.

E por fim foram analisados os principais motivos pelo qual nossos clientes buscam um empréstimo sendo 42% pretendem usar o dinheiro para viajar Em seguida, cirurgias estéticas (39%), comprar ativos (30%), reformar a casa (27%) e pagar dívidas (24%).