Previdência privada: como funciona, a escolha, como resgatar o valor acumulado e a previdência como garantia de empréstimo

A previdência privada é um forma de aposentadoria que não possui vínculo com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), podendo ser feita por meio da Superintendência de Seguros Privados (Susep) que é o órgão responsável por esse investimento. Não existe renda ou idade mínima para iniciar o investimento na previdência privada por isso pode ser feita em qualquer momento e idade.

De acordo com dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), no ano de 2019 a indústria da previdência teve 13,5 milhões de participantes. O dado nos mostra o quanto existe uma preocupação por parte dos cidadãos com o futuro, assim como com questões financeiras. Por isso, abaixo estão listadas as principais questões sobre o assunto.

Quais são as vantagens de fazer um consórcio?

Como funciona a previdência privada?

A previdência privada é uma forma de investimento. Logo após um valor ser depositado, ele rende até que o indivíduo decida retira-lo. Com isso, garante renda para o momento da aposentadoria ou para alguma necessidade inesperada e também diminui possíveis problemas financeiros no futuro.

Como comentado, esse investimento de aposentadoria não possui ligação com o INSS e pode ser usado em conjunto com a previdência Social. As instituições financeiras que fazem esse tipo de investimento utilizam o valor depositado pelo cliente em um fundo de investimento, que pode ser da escolha do cidadão ou de um gestor da instituição.

O valor investido rende até que o cliente decida resgata-lo. Dessa forma, quanto mais tempo o valor permanecer rendendo maior será o saldo final.

Como escolher a previdência privada?

A escolha da previdência privada precisa ser feita com muita cautela e atenção pois precisa levar em consideração algumas questões como:

Tipos de previdência privada

Existem dois tipos de previdência privada, a Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e a Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) ambas possuem características que podem se adequar a um determinado perfil. Por essa razão a escolha deve ser feita com atenção.

A PGBL é mais indicada para pessoas com renda mais alta, isso porque o valor pago pode ser abatido no imposto de renda, desde que represente 12% da renda bruta anual. Além disso, no momento de resgate do valor acumulado será cobrado um imposto referente ao valor total.

Já o VGBL, é indicado para pessoas que possuem renda mais baixa, que não declaram imposto de renda ou declaram utilizando os formulários simplificados. Isso porque com esse tipo de previdência não é possível declara-la no imposto de renda. Uma outra diferença é que no momento de retirada do valor acumulado o imposto cobrado será apenas sobre o valor que rendeu e não sobre o total.

Regime de tributação da previdência privada

Os impostos cobrados nesse investimento são apenas no momento de retirada de valor acumulado, existem duas opções de tributação a progressiva e a regressiva. Com a tributação progressiva o valor investido tende a aumentar conforte o cliente investe e resgata o seu dinheiro, de forma parcelada.

Enquanto que na tributação regressiva favorece o resgate do valor quando acumulado e retirado de uma vez só. Dessa forma a escolha precisa levar em consideração, além de outros fatores, o tempo que o cliente deseja deixar o dinheiro rendendo.

Taxas de carregamento e administração

As taxas de carregamento são cobradas para atender as despesas de corretagem, podemos encontrar 3 tipos delas:

  • A de entrada;
  • Saída;
  • E a híbrida, que é cobrada na entrada e também na saída do valor investido;

Essas taxas podem ter o valor variado dependendo de cada instituição financeira que realiza a ação. Por isso é importante que esses valores sejam verificados antes do aceite do investimento. As taxas de administração são cobradas anualmente sobre o valor total que foi aplicado e também precisam ser analisadas para cada instituição.

O que é previdência privada e como funciona?

Como resgatar o valor acumulado da previdência privada?

Para realizar o resgate do valor que foi acumulado durante o momento de investimento existem duas principais formas, são elas:

  • Saque total;
  • Saque por parcelas;

Como comentado, para cada uma dessas opções de saque existe uma tributação mais favorável. Sendo assim, é dever do cliente se atentar a escolha do saque e levar em consideração as questões relacionadas as taxas e impostos que são cobrados durante toda previdência privada. Além disso, algumas instituições podem oferecer outras possibilidades de saque ou condições diferentes para cada um deles.

Como funciona a previdência privada como garantia de empréstimo?

O Governo Federal tem como proposta a permissão do uso do valor acumulado na previdência privada como garantia de empréstimo. Pois com essa ação o Governo consegue baratear o custo do crédito.

A medida provisória, realizada pelo Ministério da Economia, deseja fomentar as garantias e assim a competição no mercado, com taxas de juros e de portabilidade reduzidas. Sendo assim, o intuito da ação é diminuir os juros que são cobrados as pessoas físicas que possuem recursos que podem ser usados como garantia. Portanto com o uso de garantia sobre o empréstimo os juros cobrados podem ser mais baixos.

A ação também pretende estimular o uso do FGTS como garantia de financiamentos , o que será permitido a partir de esforços do Banco Central juntamente com o Ministério da Economia. Contudo, as medidas ainda não foram implementadas em todas as instituições financeiras e por isso é preciso verificar se a instituição escolhida já aderiu as condições.

Previdência privada: quais são as vantagens de investir?

E então, restou mais alguma dúvida sobre a previdência privada como garantia de empréstimo? Se sim, deixe aqui o seu comentário que nós lhe ajudamos.

Além disso, siga a FinanZero nas redes sociais para mais dicas e para nos acionar quando quiser: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.