Até 2021, importação de soja e milho têm impostos zerados; entenda a que setor isso beneficia

A importação de soja e milho está com imposto zerado, de acordo com decisão do Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

Simule seu empréstimo e receba até 10 ofertas com um único cadastro!

Desse modo, produtores de soja e milho podem ter mais concorrência com seus produtos. Por outro lado, com a oferta em alta, criadores de gado devem ter preços menores para a compra desses produtos.

Vale lembrar que soja e milho são duas das principais matérias primas para a produção de ração de bois e frangos.

Leia mais: Quais são as novas regras para carros PcDs?

Até quando vai a suspensão do imposto de importação da soja?

A suspensão temporária do imposto de importação para soja (grão, farelo e óleo de soja) valerá até 15 de janeiro de 2021.

O milho, por sua vez, tem importações brasileiras sem imposto até 31 de março de 2021.

Essas datas foram determinadas de modo a não comprometer a próxima safra, tanto de milho quanto de soja, que tem a colheita prevista para início de 2021.

Veja também: Caixa inicia pagamentos de segunda parcela de R$ 300

Aumento do consumo é justificativa para zerar imposto

Em resumo, a decisão de zerar o imposto de importação da soja é reflexo do aumento do consumo do produto. Assim como o milho, a soja teve mais demanda neste ano por causa do distanciamento social.

Com a população ficando mais em casa, aumentou a compra de alimentos para produção própria. Consequentemente, milho e soja, altamente consumidos, tiveram aumento nas vendas.

Para o Brasil, o aumento foi positivo nas exportações. E, por fim, impactou a oferta do produto no mercado interno.

Logo, o aumento na importação de soja não deve afetar as vendas da próxima safra.

Confira: Caixa libera saque do Auxílio para 5,6 milhões de pessoas

E você, por fim, quer saber mais sobre índices de inflação? Então comente suas dúvidas!

Além disso, siga a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.