Desde o ano passado, o mercado de investimentos têm aumentado consideravelmente no Brasil. Por isso, confira nesse post se o consórcio como investimento é um bom negócio

Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), menos da metade dos brasileiros tinha algum saldo aplicado em produtos de investimento em 2019. Entretanto, o cenário mudou consideravelmente no último ano.

A própria Bolsa de Valores (B3) divulgou que até novembro do ano passado, o número de contas cadastradas havia dobrado, se comparado ao ano de 2019. Contudo, mesmo com a pandemia do covid-19, os brasileiros apostaram no investimento como uma opção benéfica e o número de investidores que em 2019 era de 1.6 milhão, saltou para mais de 3,17 milhões em 2020.

Por isso, a FinanZero reúne nesse post as principais informações do consórcio como um tipo de investimento. Isso porque, o consórcio também é hoje uma modalidade em crescimento no Brasil. Conforme dados divulgados pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), a busca pelo segmento cresceu mais de 21% em 2020.

Como solicitar o empréstimo pessoal online com a FinanZero?

Consórcio x Investimento

Em primeiro lugar, é fundamental entender a diferença entre o consórcio e o investimento. Enquanto o consórcio está atrelado a uma espécie de “financiamento em conjunto”, onde o cliente entra num grupo e contribui para um fundo comum com pessoas interessadas em comprar um bem de mesma categoria que ele.

O investimento, por sua vez, é a aplicação de um valor presente visando obter um benefício futuro. Essa é uma definição ampla do conceito de “investir”, visto que, esse segmento é muito extenso. Em linhas gerais, o investimento funciona como um capital que irá produzir rendimentos após um determinado período.

Então, por se tratar de uma modalidade onde o cliente se programa para poupar dinheiro antecipadamente visando obter um lucro futuro comprando um bem, também é possível considerar o consórcio como uma forma de investimento. Isto é, assim como o investimento convencional, o consórcio assegura certa rentabilidade ao consumidor.

Quais são os tipos de consórcio e qual escolher?

Como e por que investir em consórcio?

Conforme mencionado, a ideia do consórcio é que os clientes possam contribuir para um fundo comum a fim de obter um bem (veículo, imóvel etc) quando houver a contemplação da carta de crédito. Porém, o cliente também pode optar por aplicar o valor investido no consórcio.

Na prática, caso o cliente não queira usar o capital imediatamente também é possível manter o valor num fundo de investimentos. Desse modo, o valor aplicado rende mensalmente e o crédito poupado se torna mais vantajoso ao consumidor.

Tanto no consórcio, quanto no investimento, não há interesse em obter lucro rapidamente. Portanto, a soma das modalidades torna-se viável e a ideia é que o cliente faça um planejamento financeiro em longo prazo. Dessa forma, no consórcio como investimento, o retorno do que está sendo aplicado não é alcançado de imediato, mas o montante acumulado torna-se rentável.

O que é previdência privada e como funciona?

Como declarar consórcio no Imposto de Renda?

Sabendo da importância em declarar o consórcio como investimento no Imposto de Renda, também é válido ressaltar aos contribuintes como esse processo precisa ser feito. Mesmo com prazo para entrega do IR 2021 sendo prorrogado até o dia 31 de maio, a Receita Federal declarou que até o início desse mês, mais de 14 milhões de contribuintes ainda não haviam prestado suas contas com o fisco.

Portanto, para manter a regularidade do documento os contribuintes devem declarar o consórcio como investimento no IR (sendo ele contemplado ou não). O primeiro passo é reunir os documentos necessários, sendo eles: os dados da empresa financiadora e o registro dos valores que foram pagos pelo consorciado.

Em seguida, o processo irá variar de acordo com o contribuinte que foi ou não contemplado no consórcio. Na prática, funciona da seguinte maneira:

Declaração de consórcio não contemplado

Acessando o portal da Receita Federal, o contribuinte deve localizar a ficha “bens e direitos” e seguir o seguinte passo a passo:

  1. Em primeiro lugar, clicar na opção “novo”;
  2. Logo após, escolher o código “95 – Consórcio não contemplado”;
  3. Informar o CNPJ da empresa financiadora do consórcio;
  4. Os consorciados que começaram o pagamento em 2020, devem inserir R$0,00 na opção “situação em 31/12/2019”;
  5. Por outro lado, será necessário inserir o número de parcelas pagas em 2020 na aba “situação em 31/12/2020”.
  6. Por fim, basta clicar na opção “OK” e terminar de preencher a ficha com o restante das informações.

Além disso, é válido reforçar que essa etapa deve ser repetida nas declarações até que o consórcio seja contemplado.

Declaração de consórcio contemplado

Em contrapartida, quando o consórcio for contemplado o contribuinte precisa declarar o bem adquirido no IR. A princípio, o processo é similar as declarações não contempladas e será necessário acessar a aba “bens e direitos” no portal. As instruções dessa declaração, são as seguintes:

  1. Primeiramente, importar a declaração do IR 2020 para o IR 2021;
  2. Em seguida, aguardar alguns segundos pois a ficha com a relação de bens irá aparecer automaticamente;
  3. Selecionar o campo “discriminação” e informar as parcelas pagas em 2020;
  4. Especificar se a contemplação do consórcio foi via sorteio ou lance;
  5. Inserir R$0,00 em “situação em 31/12/2020”;
  6. Clicar em “OK” e concluir o preenchimento dessa ficha;
  7. Acessar novamente a aba “bens e direitos” e clicar na opção “novo”;
  8. Escolher o código do bem adquirido (11 para apartamento, 12 para casa, 21 para veículo etc);
  9. Preencher a opção “discriminação” novamente, mas dessa vez com detalhes do bem que foi comprado;
  10. Caso o consórcio tenha sido feito via lance, especificar o valor e as parcelas quitadas em 2020;
  11. Zerar a opção “situação em 31/12/2019”;
  12. Por fim, na aba “situação em 31/12/2020” informar o valor declarado na ficha do consórcio em 31/12/2019, as parcelas do consórcio pagas em 2020 e, se for o caso, o valor do lance.

Assim como no caso descrito anteriormente, essa etapa deve ser repetida em demais declarações. Entretanto, neste caso, até que o consórcio seja quitado.

O que é um consórcio e como ele funciona?

Vantagens de investir em consórcio

Além de não precisar pagar entrada, ao optar no consórcio como investimento, o consumidor também não paga juros. Isto é, a modalidade do consórcio como investimento possui hoje uma das taxas mais atrativas do mercado. Em resumo, as únicas taxas embutidas nessa transação são as de: administração, adesão, fundo comum ou de reserva e do seguro (que é opcional).

O consumidor tem a flexibilidade de escolher a forma como pretende investir no crédito. Então a escolha do lugar, da data e do bem que será investido é feita pelo próprio cliente. Ainda sim, vale ressaltar que o consórcio como investimento também garante o poder de compra do bem que for adquirido futuramente.

Logo, mesmo que os preços de bens e serviços sofram variações no mercado devido a mudanças no cenário econômico do país as prestações são reajustadas. Sendo assim, o consorciado não corre o risco do dinheiro investido não acompanhar as oscilações de inflação e o consórcio como investimento torna-se lucrativo.

Previdência privada como garantia de empréstimo

Por fim, ficou com dúvidas sobre o consórcio como investimento? Se sim, deixe aqui nos comentários que a FinanZero te ajuda.

Ademais, siga a FinanZero nas redes sociais para mais dicas e para nos acionar quando quiser: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.