FinanzeroBlogFinanças Pessoais

Consórcio ou poupança: qual a melhor opção?

Consórcio ou poupança: qual a melhor opção?

Compartilhe esse post:

Para quem pensa em investir em consórcio ou poupança, é preciso considerar a rentabilidade, prazo de retorno e outros detalhes.

De acordo com a 6ª edição do Raio X do Investidor Brasileiro, o percentual de brasileiros que realizaram algum tipo de investimento em 2022 foi de 36%, aumento de 5% quando comparado ao ano anterior. Na prática, isso equivale a cerca de 60 milhões de pessoas. Destes, 25,9% ainda têm preferência pela caderneta de poupança, uma modalidade de renda fixa, bastante conhecida entre os consumidores.

Neste texto, explicamos qual é a melhor opção, se consórcio ou poupança, para quem deseja pensar em rendimentos a médio prazo.

Como funciona a poupança?

A caderneta de poupança, também conhecida somente como poupança, é considerada um investimento de renda fixa, porque o rendimento é previamente estabelecido, antes mesmo da aplicação dos recursos. Ou seja, o investidor tem compreensão da média de rendimento que será gerado após a aplicação de determinada quantia, e em qual prazo isso ocorrerá.

Além disso, diferente dos demais tipos de investimentos de renda fixa, a poupança disponibiliza uma conta que pode ser usada como conta bancária convencional, para a realização de movimentações, como saques, pagamentos e transferências. No entanto, é importante ressaltar que, ao movimentar o dinheiro aplicado, a rentabilidade é reduzida ou anulada, já que é um tipo de liquidez diária. A rentabilidade, por sua vez, varia de acordo com a taxa Selic e é definida e controlada pelo governo federal, através do Banco Central do Brasil.

Na prática, o dinheiro depositado na conta fica “guardado” e, a cada mês de aniversário, isso é, quando completa um mês que a quantia foi investida, é aplicado um percentual de rendimento sobre o valor. No entanto, para gerar a rentabilidade, o dinheiro deve permanecer na conta durante todo o mês, para que complete o ciclo.

Poupança vale a pena?

Como funciona o consórcio?

O consórcio funciona como uma conta conjunta ou autofinanciamento coletivo, já que a administradora responsável reúne dezenas de consumidores interessados em adquirir um bem ou serviço do mesmo tipo e forma um grupo. Os participantes, então, pagam as prestações referentes ao crédito solicitado, contribuindo para a formação do fundo comum, que é usado posteriormente para a contemplação das cartas de crédito.

A carta de crédito nada mais é do que o documento liberado ao consorciado, que o permite adquirir o bem ou contratar o serviço desejado, que pode ser desde veículos, imóveis, eletrodomésticos, procedimentos de saúde ou estética, realização de festas, viagens e afins. A contemplação acontece nas assembleias mensais, através do sorteio ou oferta de lance.

Conheça todas as regras de consórcio antes de fazer o seu

Consórcio ou poupança, qual é a melhor opção?

Para definir a melhor opção, se consórcio ou poupança, o interessado precisa conhecer as principais características de cada modalidade e, em seguida, considerar a própria realidade financeira, como objetivos, demandas e orçamento disponível.

Isenção de Imposto de Renda

A poupança não possui nenhum tipo de cobrança para abertura da conta, bem como não é permitida a aplicação de tarifas para manutenção ou taxa de administração da conta. Além disso, os rendimentos oriundos da poupança são isentos do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e do Imposto de Renda, independente de qual seja o valor, apesar de ser obrigatório informá-lo na declaração do IR.

O mesmo acontece com o consórcio, seja qual for o segmento, se imobiliário, de veículos, bens duráveis ou de serviços, quando o consumidor recebe a carta de crédito, não há a incidência de nenhum imposto sobre a quantia, portanto, o crédito pode ser usado integralmente.

Logo, no âmbito de impostos, as duas modalidades são vantajosas, porque não contam com contribuição.

Uso como reserva de emergência

A reserva de emergência, apesar de ainda ser uma ação pouco praticada, é considerada essencial para manter o bom funcionamento das finanças. Sendo assim, o intuito é que o consumidor tenha um montante que possa ser usado em situações inesperadas, como desemprego, despesas emergenciais ou aquisição de bem ou serviço de maneira inesperada.

Neste cenário, a poupança é mais interessante, porque além de permitir a movimentação do dinheiro a qualquer momento e sem a cobrança de taxa ou multa, é um tipo de conta que gera rendimento. Logo, enquanto os recursos estiverem depositados e não sendo movimentados, haverá liquidez sobre o valor.

No consórcio, contudo, não há a possibilidade de usar a carta de crédito como reserva de emergência por dois motivos: o primeiro é referente à contemplação, pois o participante deve esperar ser sorteado ou ter dinheiro para ofertar um lance alto o suficiente para que não haja contra oferta; e depois porque são poucas as administradoras que permitem a liberação do dinheiro em si, já que a prática comum é que o consumidor tenha acesso à carta de crédito e, com ela, adquira ou bem ou serviço desejado e estabelecido em contrato.

Consórcio náutico: o que é e como funciona?

Rentabilidade

Apesar da liquidez diária, uma das principais características atuais da poupança é a baixa rentabilidade, quando comparada a outros produtos financeiros de renda fixa. Isso porque, ainda que haja o resgate de uma quantia maior do que foi aplicada, o retorno não acompanha a inflação, desse modo, a quantia não se caracteriza, de fato, como um lucro, e inclusive pode representar perda financeira em alguns casos, ao considerar a desvalorização da moeda e a diminuição no poder de compra.

No consórcio, por outro lado, há o Índice de Reajuste aplicado periodicamente, dessa forma, se o preço do bem desejado aumentar ao longo da vigência do contrato, a carta de crédito é reajustada, para que o consumidor não perca o poder de compra. Além disso, este reajuste não é repassado ao cliente de forma retroativa, ou seja, se foi identificado aumento de 8% no bem em questão, a carta de crédito terá reajuste neste mesmo percentual, mas o consorciado terá aumento de 8% somente nas prestações seguintes, isso é, não será cobrado o montante correspondente a 8%, mas incidindirá aumento de 8% nas próximas parcelas, de modo que o valor final pago, será inferior ao da carta de crédito obtida, gerando um tipo de rentabilidade.

Prazo de investimento

A poupança é um investimento que não exige prazo mínimo ou máximo, porque o consumidor pode movimentar a conta a qualquer momento, ainda que essa não seja a prática mais recomendada. O consórcio, por sua vez, é um investimento de médio a longo prazo, porque suponhamos que o intuito do consorciado seja adquirir um imóvel através do consórcio para, posteriormente, alugá-lo ou, ainda, o objetivo seja vender a carta contemplada.

Em ambos os casos, será preciso aguardar ser sorteado, que pode demorar meses ou anos, ou possuir recursos financeiros suficientes para ofertar um lance. Sendo assim, o consumidor deve ter em mente que não se trata de um processo rápido.

Tem mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixa nos comentários. E para ficar por dentro desse e outros temas, não deixe de acompanhar a FinanZero por aqui e nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.

Próximo artigo

Consórcio náutico: o que é e como funciona?

Veja o que é e como funciona o consórcio náutico, quais os documentos necessários para a operação e as vantagens e desvantagens.

Ler artigo completo

0 respostas para “Consórcio ou poupança: qual a melhor opção?”:

  1. Não existe nenhum comentário nesse post ainda. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Navegue por:

Benefícios do GovernoCréditoDestaquesFinanças PessoaisImpostosMercadoNegócios
PáginasFlip – Empréstimo para Pessoa JurídicaZippi – Empréstimo para Pessoa JurídicaJuvo – Empréstimo com garantia de celularBanco Inter – Crédito Consignado OnlineMycon – Consórcio OnlineFortBrasil – Cartão de CréditoSeguro de AutomóvelCrefaz – Empréstimo OnlineFinanciamento imobiliário – FinanZeroConsórcio de serviçosWill Bank – Cartão de Crédito OnlineBrasilCard – Cartão de Crédito OnlineQred: Empréstimo Empresarial OnlineCréditoJá – Refinanciamento de Imóvel OnlineNovo Saque: Crédito Pessoal OnlineFinnsaúde – crédito para saúdeConsórcio de imóveisConsórcio de automóveisApê 11 – Financiamento Imobiliário OnlineQindin – serviços onlineSuperdigital – serviços 100% onlineMister Money – Empréstimo onlineFinanZero- uma nova parceria ParcelexZanTomPay – Soluções em pagamentosZanTom – Empréstimo OnlineBLU365 – Empréstimo onlineTopsolus – Soluções financeiras online98 Pay – Soluções para pagamentosAqui Tem Cred – Empréstimo OnlineAmbler Bank – Empréstimo OnlineL&M – Consultoria em meios de pagamentoRodobens – Empréstimo com garantia de imóvelup.p – Antecipe seu FGTSJeitto – Crédito para pagar suas contas do mêsJBcred – Empréstimo Pessoal OnlineCentral da Visão – Procedimentos mais acessíveisQery – Empréstimo Pessoal OnlineVivo Valoriza EmpresasZema – Empréstimo Pessoal OnlineQista – Empréstimo Pessoal OnlineEmpréstimo com garantia de imóvelCapital Empreendedorhome 2022 teste abEmpréstimo com garantia de veículoEmpréstimo com Garantia de CelularEmpréstimo para MEISimulador de Empréstimo OnlineHome EquityEmpréstimo FGTSEmpréstimo para empresas
Solicite seu empréstimo