Em setembro, havia mais empresas funcionando do que fechadas; resultado reflete retomada da economia

Dados do Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, desta quinta (8) indicam retomada da economia, com mais empresas funcionando em setembro. Com efeito, a comparação é em relação a agosto.

Como se viam resultados medianos desde maio, mês considerado pico da crise de coronavírus, o resultado deu ânimo a investidores.

Afinal, foram 252.840 mais negócios abertos do que fechados em setembro.

Ao passo que, em agosto, o país tinha 19.289.824 empresas funcionando, em setembro o número passou para 19.542.664.

Simule um empréstimo com a FinanZero!

Empresas funcionando: salões de beleza e vestuário em destaque

Em conclusão, os comércios de mais impacto foram salões de beleza, com manicures, cabeleireiras e pedicures, e lojas de vestuário.

Além desses, empresas de bebidas e restaurantes também foram expressivas para o crescimento.

No entanto, Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia Paulo Guedes ainda se preocupam com o tempo médio de abertura de cada empresa, hoje em 2 dias e 21 horas.

Por isso, o governo prevê meta de redução do tempo de abertura de empresas funcionando em um dia até o final de 2022.

A meta pode parecer ambiciosa, mas, desde a eleição de Jair Bolsonaro (sem partido), o intervalo para a criação de empresas caiu quase que pela metade. Em janeiro de 2019, cada empresa levava, em média, 5 dias e 19 horas para ser aberta.

Leia mais: Como um empréstimo consignado pode te ajudar?

70% das empresas relatavam impacto por corona

Em julho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) liderou uma pesquisa com empresas funcionando mesmo durante a pandemia.

Em síntese, os resultados indicam que empresas de pequeno porte foram as mais impactadas.

Os efeitos negativos foram percebidos por 70,1% das empresas de pequeno porte, 66,1% das intermediárias e 69,7% das empresas de grande porte.

Entre setores, o impacto foi negativo para

  • 74,4% das empresas de Serviços;
  • 72,9% da Indústria; 72,6% da Construção; e
  • 65,3% de Comércio.

Entenda: Cresce número de mulheres nas eleições, mas como vice

Nesse sentido, o mais você gostaria de saber sobre as empresas funcionando durante a pandemia? Comente suas dúvidas!

Siga a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.