Quando um usuário do Pix cai em algum golpe, é possível recuperar o dinheiro através da Medida Especial de Devolução, contudo, existem algumas regras para que a medida seja aplicada.

O Pix é um método de pagamento lançado pelo Banco Central em novembro de 2020. Com ele, é possível realizar pagamentos e transferências de forma gratuita e em até dez segundos. Isso é, ao efetuar uma operação, mesmo que entre contas de instituições diferentes, o processamento demora, no máximo, dez segundos para ser concluído.

Isso acontece porque o reconhecimento da transação ocorre em tempo real e não há restrições de dias e horários, como acontece em operações TED e DOC, por exemplo. Sendo assim, os pagamentos e transferências podem ser feitos a qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana, inclusive feriados.

Dessa forma, desde sua implementação, foram registradas mais de 1 bilhão de transações via Pix, conforme dados divulgados pelo Banco Central. Entretanto, paralelamente à crescente utilização, houve, ainda, aumento no número de golpes financeiros. De acordo com a Receita Federal, até setembro de 2021 mais de 2,7 milhões de tentativas de golpes no Pix foram bloqueadas.

Pensando nisso, vamos explicar a seguir quais são os golpes mais comuns no Pix, como evitá-los e o que fazer caso aconteça.

Como agendar um Pix?

Quais o golpes de Pix?

Os golpes aplicados via Pix são variados e, em alguns casos, são adaptações de antigos golpes. Em outros, contudo, os golpistas exploram as novas tecnologias, como WhatsApp e outras redes sociais.

WhatsApp clonado

Através da clonagem do WhatsApp, os fraudadores têm acesso à lista de contatos da vítima, logo, passam a pedir dinheiro. Inicialmente, a tática era utilizada para solicitar transferências tradicionais, isso é, os TEDs ou DOCs. Contudo, é comum que, atualmente, sejam solicitados pagamentos via PIx, já que o dinheiro cai na conta de forma instantânea.

Outro tipo de golpe aplicado através da clonagem do WhatsApp é a solicitação do código de segurança do próprio aplicativo, isso porque, a partir dele, é possível clonar o app de conversação dos contatos da vítima, também.

Perfil falso

Além da clonagem, há casos em que os golpistas criam perfis falsos e, em seguida, enviam mensagens para os contatos, informando que aquele número é novo. A partir daí, caso haja algum tipo de diálogo, são solicitados empréstimos via Pix, bem como podem ser enviados links falsos com o intuito de roubar dados pessoais e bancários.

Páginas e arquivos falsos

Uma fraude comum é a criação de páginas ou arquivos falsos. Na prática, o intuito desse golpe é roubar as credenciais da vítima e ter acesso à conta bancária. Então, são enviados links ou arquivos falsos através de SMS, e-mail, WhatsApp e outras redes sociais, que levam o usuário para um site que, normalmente, simulam uma instituição financeira.

Uma fraude com o Pix que já surpreendeu muita gente é a criação de páginas falsas para enganar os usuários. A estratégia é redirecionar os alvos do golpe para sites falsos e, neles, roubar seus dados bancários.

Em outros casos, no entanto, são enviados arquivos, também através dos meios citados, que devem ser baixados no celular. Contudo, após realizar o download, o dispositivo permite acesso às informações pessoais e bancárias do usuário.

Central de atendimento falsa

A falsa central de atendimento é outro tipo de golpe envolvendo o Pix, neste caso, os fraudadores entram em contato com as vítimas através de WhatsApp ou ligação e se identificam como funcionários de bancos ou outras instituições.

Então, são solicitadas informações relacionadas à conta bancária e senhas. A partir daí, com esses dados, é possível acessar a conta em questão e movimentar os recursos disponíveis.

Como conseguir capital de giro para empresa MEI?

É possível recuperar dinheiro de golpe do Pix?

Em novembro de 2021 foi implementado o Mecanismo Especial de Devolução, do Banco Central. Dessa forma, é possível recuperar o dinheiro de golpe do Pix, no entanto, é preciso realizar alguns procedimentos para que o processo aconteça.

Portanto, quando um usuário realiza uma operação via Pix, mas logo em seguida perceber que se tratava de um golpe, é necessário registrar um boletim de ocorrência e apresentar à polícia todas as informações que possui, e que possam ser utilizadas como prova, como dados do recebedor e troca de mensagens, por exemplo.

Feito isso, é preciso notificar o banco em que possui conta através dos canais de atendimento oficiais, como o SAC ou ouvidoria. A instituição, que por sua vez, pode solicitar a chave Pix, número da agência e conta, nome do beneficiário e também a ID da transação, que se trata de um código que aparece no final do comprovante da transação.

A partir desses dados, a instituição do pagador é responsável por notificar a instituição do recebedor, para que seja aplicado o bloqueio cautelar, que nada mais é do que um bloqueio de 72 horas dos recursos da conta, a fim de facilitar que seja feita uma análise detalhada da transação.

Em alguns casos, é possível que o bloqueio possa durar até sete dias, de modo que seja feita uma análise ainda mais robusta para verificar se houve fraude. Caso a fraude se comprove, deverá ser aplicada a Medida Especial de Devolução, ou seja, a instituição do fraudador deverá estornar os recursos para a instituição do pagador.

Preciso fazer prova de vida do INSS?

Como se proteger de golpes do Pix?

Como dito inicialmente, o golpe do Pix pode ser aplicado de inúmeras maneiras, portanto, toda atenção é necessária para evitar fraudes. A seguir, vamos dar algumas dicas sobre como se proteger e evitar problemas.

  • não clique em links ou arquivos suspeitos recebidos através de e-mail, WhatsApp, SMS ou outras redes sociais;
  • confira o remetente das mensagens e e-mail recebidos e, se necessário, pesquise se o endereço e/ou número está correto ou entre em contato com a Central de Atendimento para verificar se a informação é verdadeira;
  • lembre-se que o cadastramento das chaves Pix são realizados, exclusivamente, no aplicativo ou Internet Banking da instituição;
  • não compartilhe senhas ou códigos de verificação dos aplicativos bancários;
  • ative a verificação em duas etapas do WhatsApp e nunca forneça o código para outras pessoas;
  • caso receba um pedido de empréstimo de amigos ou parentes, entre em contato com a pessoa para confirmar que se trata de uma solicitação verdadeira, pois o WhatsApp pode ter sido falsificado ou clonado;
  • bancos e outras instituições não realizam cadastros do Pix através de ligações telefônicas ou contatos pelo WhatsApp, portanto, não forneça qualquer tipo de informação ou dado pessoal.

Ficou mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixa nos comentários que a gente te ajuda. Acompanhe a FinanZero também nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.