De acordo com a FGV, a taxa do IGP-M registrada em outubro é inferior aos 4,57% de setembro

Usado no reajuste de contratos de aluguel no país, o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou inflação de 2,92% na segunda prévia de outubro.

De fato, a taxa teve queda considerável em relação à segunda prévia de setembro, quando estava em 4,57%.

Simule seu empréstimo e receba até 10 ofertas com um único cadastro!

Queda no IGP-M indica redução do aluguel?

Infelizmente, ainda não.

Isso porque o índice acumulado em 12 meses subiu de 18,20% na segunda prévia de setembro para 20,56% na segunda prévia de outubro.

As informações são de acordo com a FGV, que publica os dados.

Leia mais: Inflação do aluguel está cada vez mais alta. Qual o motivo?

O que é IGP-M?

Você já viu um contrato de aluguel de imóvel?

Pois bem! Esses contratos têm um reajuste acordado entre as partes para, a cada ano, o valor do aluguel sofrer alteração.

E vários dos contratos mais usados por aí têm o IGP-M, que é um índice divulgado pela FGV, como seu índice de reajuste.

Além de medir a variação de preços para reajuste de contratos de aluguéis, ele também é o índice para energia elétrica e telefonia.

Por fim, vale dizer que é calculado mensalmente pela FGV, com influências de outros indicadores e do dólar para seu cálculo.

Leia mais: Quais são as novas regras para carros PcDs?

Por que o índice abaixou de setembro para outubro?

Não, não é um sinal direto de que a economia está se recuperando depois da pandemia de coronavírus.

Afinal, a queda da taxa de setembro para outubro foi provocada pelo recuo dos preços no atacado, medidos pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo, o IPA-M.

O IPA-M teve taxa de inflação recuando de 6,36% na prévia de setembro para 3,75% na prévia de outubro.

Veja também: Caixa inicia pagamentos de segunda parcela de R$ 300

Como estão os outros índices de inflação?

Além da queda do IGP-M e do IPA-M, no entanto, outros índices de inflação importantes estão em alta.

Por exemplo, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede o varejo, subiu de 0,38% para 0,71%.

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) também cresceu de 0,98% para 1,50%.

Cabe à FGV medir esses índices de inflação, também mensalmente.

Confira: Caixa libera saque do Auxílio para 5,6 milhões de pessoas

E você, por fim, quer saber mais sobre índices de inflação? Então comente suas dúvidas!

Além disso, siga a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.