Inflação do aluguel vai a 4,34% em setembro e sobe pelo quarto mês seguido, IGP-M acumula alta de 14,40% no ano e de 17,94% em 12 meses seguidos

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel em todo o território nacional, registrou inflação de 4,34% em setembro deste ano, taxa superior aos 2,74% de agosto.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), com o resultado o indicador acumula 14,40% no ano e 17,94% em 12 meses. Altas consideradas assustadoras para o atual momento do mercado. Isso porque a economia sofre com a pandemia provocada pelo novo coronavírus, e a população está cada vez mais sem recursos suficientes para pagar pela própria moradia.

A alta de agosto para setembro foi puxada pelos três subíndices que compõem o IGP-M. São eles:]

  • Responsável por analisar e medir o atacado, passou de 3,74% em agosto para 5,92% em setembro -Índice de Preços ao Produtor Amplo.
  • O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, subiu de 0,48% em agosto para 0,64% em setembro.
  • Índice Nacional de Custo da Construção passou de 0,82% em agosto para 1,15% em setembro.

O primeiro componente do IGP-M está ligado aos preços no atacado para produtores, com peso de 60%. Enquanto os preços no varejo para os consumidores têm peso de 30% e na construção civil, de 10%. A pressão atual está justamente na base do mercado que refere-se ao atacado ou na “inflação da porta da fábrica”, como dizem popularmente os economistas.

Veja também – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

Por que o aluguel aumentou?

Com a pandemia, os preços de várias commodities subiram, em meio à demanda maior vinda de outros países. Apenas em agosto, a soja em grão subiu 7%. A economia global puxa a demanda por commodities para cima e, por consequência, toda a cadeia de derivados, assim a desvalorização cambial (alta do dólar) também tem pesado bastante. Ela foi de 30% nos últimos 12 meses e ganhou mais fôlego durante a pandemia.

Já o IPCA é calculado com base numa ampla base de preços ao consumidor. Se por um lado o preço do arroz ficou mais alto, por outro há queda de custos em serviços como hotelaria e passagens aéreas, por exemplo.

Cálculo

Calcule com a gente: com o índice dos últimos 12 meses fixado em 17,94%, pra atualizar um aluguel de R$ 1.500,00 com vencimento em outubro de 2020, basta multiplicar seu valor por 1,1794 (R$ 1.500,00 X 1,1794). O resultado: R$ 1.769,10. Portanto, este passa a ser o valor que vai vigorar mensalmente até o próximo reajuste, daqui a 12 meses.

Posso renegociar o aluguel?

Sim! O movimento do IGP-M ocorre em meio à retração do emprego, da renda e do consumo no Brasil, na esteira da pandemia.

Os inquilinos comerciais e residenciais estão procurando, neste momento, os proprietários dos imóveis para renegociar os valores. O locador muitas vezes sabe que não pode aumentar o valor da locação agora ou o inquilino sai. E a economia não está tão bem assim. Não é um momento tão bom para se exercer o contrato sob o ponto de vista de correção.

Nas negociações correções têm ficado entre 2% e 3% – algo mais próximo do IPCA.

Essas renegociações, estão ocorrendo principalmente entre os empresários e os proprietários de pontos comerciais, em um cenário de dúvidas sobre o ritmo de recuperação da economia após o isolamento social.

Veja também – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

Empréstimo para pagar o aluguel vale a pena?

Uma alternativa para quitar os débitos em atraso do aluguel e evitar o despejo é solicitar um empréstimo. Vale a pena recorrer a essa alternativa quando o valor do juros do alguem que está em atraso é superior ao juros do empréstimo, seja na modalidade de crédito pessoal ou refinanciamento.

Empréstimo Pessoal: como funciona?

Pode ser encontrado também como crédito pessoal, é a modalidade de crédito com menor burocracia do mercado, e conta com uma boa adesão dos consumidores que precisam de uma força para terminar o mês ou comprar algo desejado.

Em alguns casos as taxas de juros são menores que o rotativo do cartão de crédito e o cheque especial, o que pode ajudar no planejamento financeiro dos solicitantes. Além disso, o cliente escolhe em quantas vezes quer pagar o empréstimo e qual o valor deseja solicitar.

As vantagens desse tipo de empréstimo são:

  • agilidade: em até 48 horas após assinar o contrato o dinheiro será depositado na conta do cliente;
  • até 24 meses para quitar o débito;
  • possibilidade de emprestar até R$35.000;
  • juros a partir de 1,99%a.m.

Veja também – Alta de alimentos mantém juro básico em 2%. O que significa?

Ficou com mais alguma dúvida sobre a inflação do aluguel? Deixe nos comentários, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.