A Selic é a taxa básica de juros do Brasil e sua meta é definida pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom)

Confira mais clicando aqui – O que é PIB (Produto Interno Bruto)?

A sigla Selic significa Sistema Especial de Liquidação de Custódia. Basicamente, ela é um sistema do Banco Central (BC) que é responsável por registrar todas as operações relacionadas aos títulos escriturais do Tesouro Nacional.

Grande parte dos ativos em questão são comprados por grandes bancos. Por lei, eles são obrigados a direcionar uma porcentagem de seus depósitos a uma conta do Banco Central. Dessa forma, o volume de operações bancárias no mesmo dia é enorme. Somando o montante de todas as instituições, o total é ainda maior.

Sendo assim, o Banco Central impõe a todos os bancos que o caixa deve estar equilibrado no momento de fechar o dia. Isso evita o excesso de dinheiro em circulação, fator que colabora com o controle da inflação.

Para isso, os bancos fazem empréstimos entre eles. Há uma taxa de juros e também a emissão de títulos de curto prazo (apenas 1 dia). Desse modo é feita a média ponderada e ajustada, a qual é divulgada diariamente. Ela é a taxa Selic Overnight.

Mas, a taxa Selic popularmente conhecida é a Taxa Selic Meta. Ela é estabelecida pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Em março de 2020 ela chegou em seu patamar mais baixo na história do País, com o percentual de 3,75% ao ano.

Como a Selic afeta as demais taxas de juros?

A Selic influencia em todas as taxas de juros do Brasil, como por exemplo:

  • empréstimos;
  • financiamentos;
  • aplicações financeiras.

Quando a Selic baixa a rentabilidade dos títulos despencam e, por isso, o custo dos bancos também cai. Dessa forma, uma redução da Selic, por exemplo, deve fazer com que os juros que são cobrados pelas instituições financeiras em concessões de crédito também caiam. O contrário ocorre quando a Selic aumenta o valor percentual: o custo dos bancos sobe e eles passam a cobrar mais pelos empréstimos e demais serviços.

Mas, é importante entender que a Selic não representa exatamente os juros cobrados dos consumidores. A Selic expressa quanto os bancos pagam para conseguir levantar dinheiro para emprestar. Isso significa que ela representa apenas uma parte dos juros cobrados pelos bancos.

Os bancos também atrelam aos empréstimos e demais concessões as taxas de risco de inadimplência, os impostos e compulsórios (valor que fica retido pelo Banco Central), despesas administrativas e uma margem de lucro.

Qual a relação da Selic com a poupança?

No ano de 2012, foi criada uma regra que muda a rentabilidade da conta poupança de acordo com a taxa Selic. Isso quer dizer que quando a Selic está acima do percentual de 8,5% ao ano, a rentabilidade da poupança fica em 6,17% ao ano (0,5% ao mês) mais TR (Taxa Referencial). Contudo, quando a Selic é igual ou menor que 8,5%, a poupança passa a render o percentual de 70% da Selic mais TR.

Como o Copom define a taxa Selic?

Os integrantes do Copom se reúne a cada 45 dias, para decidir qual será os rumos da taxa básica de juros. A taxa Selic é o parâmetro utilizado pelos bancos para determinar a taxa de juros dos empréstimos e financiamentos diários que eles fazem uns aos outros. Dessa forma, se a taxa está baixa, menor será os juros da concessão de crédito.

Desde o inicio da taxa Selic, havia uma preocupação do BC e da Associação Nacional das Instituições de Mercado Aberto (Andima) de trazer com o sistema que oferecesse maior transparência e segurança para as operações de crédito no Brasil.

Com o passar do tempo a definição da Selic tomou um papel estratégico no controle da inflação e na estabilização da economia do País. Isso porque ela representa a taxa de juros que são praticados, quer dizer, o “preço” que se paga pela concessão de crédito no Brasil.

Por isso, o Copom define a Selic observando o cenário econômico atual. E usa a definição da Selic como uma maneira de controlar:

  • o excesso de dinheiro em circulação;
  • desvalorização da moeda.

Como a taxa Selic afeta a economia?

Uma queda na taxa, como a que aconteceu recentemente para 3,75%, faz com que os investimentos a seguir tenha queda nos rendimentos:

  • CDBs
  • LCIs e LCAs
  • Tesouro Direto.

Mas, os investimentos na bolsa de valores conseguem lucrar ainda mais com baixas dessa Selic. Isso acontece porque as empresas que ofereceram ações na bolsa, têm a oportunidade de investir mais em sua produção e aumentarem seus lucros, os quais são divididos com os acionistas.

Ficou com mais alguma dúvida sobre a taxa Selic? Deixe nos comentários, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.