A partir de 1º de março o limite para transferências e pagamentos do Pix vai ser alterado, os bancos têm autonomia para decidirem o valor, mas precisam seguir regras do Banco Central, confira quais são as mudanças

De acordo com o Banco Central do Brasil, os limites para transferências e pagamentos pelo PIX aumentarão a partir desta segunda-feira (1). A mudança estava prevista desde o lançamento do serviço, há três meses.

É importante lembrar que apesar de existir um limite, essa porcentagem varia conforme o cliente e entre os bancos.

No entanto, apesar de os bancos terem autonomia para decidir, o Banco Central determinou que o valor deve ser, no mínimo igual ao da TED (transferência bancária) ou do limite de compras para o cartão de débito do cliente.

Peça uma cotação grátis e receba ofertas de empréstimo de até 10 parceiros FinanZero!

Como funciona o limite do Pix?

Até o último domingo (28), o limite precisava ser de, no mínimo, 50% do valor disponibilizado para a TED ou 100% do limite de compras para o cartão de débito.

Mas a partir de hoje, o BC determinou que o novo valor deve seguir:

  • no mínimo, o valor da TED, ou
  • o limite de compras para o cartão de débito de cada cliente.

Como saber o meu limite de transferência no Pix?

Basicamente, os usuários do Pix podem consultar os valores para transferência por meio:

  • aplicativos de seus bancos nos celulares;
  • internet banking;
  • falando com os gerentes, e
  • nas centrais de atendimento das instituições financeiras dos bancos.

Confira também – Quanto tempo demora para cair uma transferência do mesmo banco?

O limite do PIX é o mesmo para todos os clientes?

Não. O valor do limite varia de acordo com o cliente e com o relacionamento com banco. Além disso, cada instituição financeira pode estabelecer um limite, dentro das regras do Banco Central.

Consigo aumentar o meu limite no Pix?

Sim. Mas para isso é necessário entrar em contato com o gerente da conta e solicitar a alteração do limite.

O que é Pix e como funciona?

O Pix é um novo meio de pagamento e de transferências instantâneo do Banco Central. Basicamente, o serviço tem como objetivo facilitar e baratear as transações financeiras.

Foi lançado em novembro de 2020 e a expectativa é que o sistema acabe substituindo os modelos tradicionais, como TED e DOC. Isso porque o Pix permite que as transações aconteçam:

  • instantaneamente – isto é, o pagamento cai na conta da pessoa em até dez segundos
  • em qualquer horário do dia;
  • em qualquer dia da semana – incluindo feriados e finais de semana.

Entenda tudo sobre o assunto em – Pix: o que é e como funciona?

O que são chaves Pix?

As chaves do Pix são uma forma de identificar o usuário dentro do sistema de pagamento. Basicamente, elas são um “apelido” da conta do cliente. Por isso, a chave pode ser:

  • CPF do cliente;
  • CNPJ da empresa;
  • e-mail;
  • celular;
  • além disso, também é possível gerar uma chave aleatória no banco, isto é, um código que utilize especificações alfanuméricas.

Por fim, ficou com mais alguma dúvida sobre o limite para transferências do Pix? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.