Profissional autônomo que deseja solicitar um empréstimo pode contar com modalidades como crédito pessoal e refinanciamentos.

O profissional autônomo é caracterizado por não possuir vínculo empregatício com nenhuma empresa, isso é, o autônomo presta serviços para pessoas físicas e jurídicas por um período específico, mas não tem direito à carteira assinada.

Conforme aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o primeiro trimestre de 2021 fechou com mais de 24 milhões de trabalhadores autônomos, que por sua vez, atuam em áreas regulamentadas, como contabilidade e nutrição, por exemplo, e também em áreas não regulamentadas, como acontece com pedreiros, encanadores e outros profissionais.

É comum, no entanto, que esses trabalhadores tenham dúvidas no momento de contratar um empréstimo, já que por não contarem com renda fixa, o processo de tomada de crédito é visto como inviável. De toda forma, vamos explicar a seguir algumas modalidades de empréstimos que podem se encaixar na realidade do profissional autônomo e como comprovar renda.

Sou autônomo, como declarar Imposto de Renda?

Quem é autônomo pode fazer empréstimo?

Sim, o profissional autônomo pode solicitar empréstimos. Inclusive, é comum que haja uma linha de crédito voltada para esse público, em que a quantia tomada deve ser utilizada em prol do negócio, como em investimento na estrutura ou capital de giro.

Por outro lado, o autônomo pode ainda contratar as linhas de crédito comuns, como o empréstimo pessoal e o empréstimo com garantia de pagamento, por exemplo. Nestes casos, o valor tomado pode ser utilizado para diversas finalidades, inclusive pessoais, como adquirir um bem ou quitar uma dívida.

Dessa forma, o que deve ser levado em consideração é o objetivo do empréstimo, já que tendo isso em mente, é mais simples traçar uma estratégia e definir a melhor modalidade.

Quais são os tipos de empréstimos para autônomo?

Como dito, o profissional autônomo pode contar com diversas modalidades de empréstimos, desde que considere o objetivo da tomada. Sendo assim, vamos mostrar a seguir os tipos de empréstimos para autônomos que podem ser solicitados para diversas finalidades, são eles: o empréstimo pessoal, o refinanciamento de imóvel e automóvel e o empréstimo com garantia de celular.

É válido destacar, contudo, que em todos os casos é necessário que o trabalhador comprove renda, isso significa que serão solicitados alguns documentos que comprovem que o solicitante terá condições de arcar com as parcelas da dívida.

Empréstimo pessoal

Também conhecido como crédito pessoal, é uma modalidade de empréstimo popular, pois normalmente não conta com um processo burocrático e é destinado, principalmente, para quem precisa de dinheiro rápido.

Além disso, o empréstimo pessoal não exige comprovação sobre o uso da quantia, ou seja, é possível utilizá-la de diversas maneiras. Por outro lado, como já mencionado, é necessário que haja a comprovação de renda. Além disso, o profissional deverá apresentar documento oficial com foto, como RG ou CNH, e um comprovante de residência.

Refinanciamento de imóvel

Conhecido também como empréstimo com garantia ou home equity, essa é uma das modalidades de crédito que oferece menores taxas de juros e maior disponibilidade no valor do crédito. Isso porque, no refinanciamento de imóvel, o profissional autônomo utiliza seu imóvel como garantia de pagamento, que pode ser uma casa, apartamento, terreno e entre outros.

Na prática, é como se a financeira ou banco se tornasse dono indireto do bem enquanto as parcelas do empréstimo estiverem vigentes. Dessa forma, em caso de não pagamento, o bem é tomado como forma de quitar a dívida.

O empréstimo com garantia de imóvel permite ao profissional autônomo solicitar até 70% do valor do bem, desde que esteja em seu nome e em área urbana. Além disso, o imóvel deve estar, pelo menos, parcialmente quitado. O percentual, por sua vez, varia de acordo com o banco ou financeira, podendo variar entre 50% e 80% de quitação.

Refinanciamento de automóvel

Assim como no refinanciamento de imóvel, essa modalidade também utiliza um bem como garantia de pagamento. Contudo, como o próprio nome indica, neste caso é o automóvel, podendo ser carros, motos, caminhões, tratores e, em alguns casos, até mesmo lanchas.

Nessa modalidade de crédito, os valores também são maiores que o comum, mas ainda ficam abaixo da quantia disponibilizada no refinanciamento de imóvel, já que o bem em questão, normalmente, possui valor inferior.

Para solicitar o refinanciamento de automóvel, é preciso que a documentação esteja em dia e o veículo não tenha mais de 10 anos de fabricação. Por fim, o profissional autônomo também deverá comprovar renda, pois é um pré-requisito da análise de crédito.

Empréstimo com garantia de celular

Uma outra modalidade de empréstimo com garantia é o que utiliza o celular. Ou seja, ao solicitar o crédito, o aparelho celular é dado como garantia de pagamento, assim como no refinanciamento de imóvel e automóvel. Neste caso, a financeira ou banco instala um aplicativo que, em caso de não pagamento das parcelas, bloqueia o celular.

O empréstimo com garantia de celular, no entanto, disponibiliza quantias mais baixas, pois o valor do bem em questão também é menor, quando comparado aos modelos citados anteriormente. Portanto, é uma modalidade voltada ao profissional autônomo que não precisa de valores altos.

Quando é pago o décimo terceiro (13°)?

Como comprovar renda sendo autônomo?

O comprovante de renda é um documento que traz à tona quais são os rendimentos mensais e/ou anuais de uma pessoa física ou jurídica. Portanto, é a partir desse documento, junto a outras informações pessoais, que os bancos e financeiras determinam o valor do crédito disponibilizado, a quantidade de parcelas e também quais serão as taxas de juros.

Isso acontece porque é feita uma análise acerca da probabilidade do consumidor conseguir arcar com a dívida, levando em consideração o faturamento mensal e anual e, em alguns casos, os bens que possui.

Dessa forma, para comprovar renda o profissional autônomo pode utilizar os seguintes documentos.

Extrato bancário: o extrato bancário é uma das alternativas dos autônomos no momento de comprovar renda. Para isso, é comum que seja solicitado o extrato bancário de, pelo menos, os últimos seis meses, pois o intuito é realizar o acompanhamento do faturamento ao longo do tempo e a periodicidade desse recebimento.

É recomendável, inclusive, que os rendimentos sejam centralizados em uma só conta, pois se torna mais simples utilizá-la como documento comprobatório de renda. Para obter o extrato bancário, o profissional autônomo deve consultar a sua instituição financeira, e verificar se é possível obter o documento através do Internet Banking ou se é necessário se dirigir a uma agência.

Decore: a sigla se refere à Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos, que na prática funciona como um holerite, mas voltado para os profissionais autônomos, liberais e microempreendedores individuais (MEIs).

A Decore é considerada pelas instituições financeiras e demais empresas como uma forma segura de comprovar renda, e para obtê-la é preciso entrar em contato com um contador habilitado, pois este será responsável pelas informações contidas no documento.

RPA: o Recibo de Pagamento Autônomo é um documento emitido por quem contratou o serviço, seja pessoa jurídica ou física. Nele, consta o valor pago pelo serviço prestado, bem como o recolhimento de tributos vigentes, como INSS, Imposto de Renda e Imposto sobre Serviços (ISS), quando for o caso.

Vale ressaltar que o RPA é válido somente para os profissionais autônomos que não possuem CNPJ e, da mesma forma, não emitem nota fiscal.

DIRPF: a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física também pode ser utilizada como comprovação de renda, já que nela constam os rendimentos e bens do profissional autônomo. No entanto, por se tratar de um documento referente ao faturamento do ano anterior, é comum que haja necessidade de apresentar comprovantes complementares mais recentes.

De toda forma, para obter uma cópia da DIRPF é necessário acessar o Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) ou imprimir uma cópia da declaração no programa IRPF utilizado para transmitir o documento.

Como saber se vou receber o Auxílio Brasil?

Como solicitar um empréstimo como autônomo?

Após definir qual é a melhor opção, é possível consultar as instituições que oferecem a modalidade desejada ou, se preferir, utilizar o simulador FinanZero. Nele, basta informar o valor que deseja, em quantas parcelas quer pagar e preencher os dados solicitados.

A partir daí, o profissional autônomo pode receber até 10 ofertas pré-aprovadas, então, é só escolher a que melhor atende às necessidades. Ou seja, são várias opções de uma só vez, sem precisar realizar todo o processo de solicitação banco por banco.

Então, ficou com mais alguma dúvida sobre o empréstimo para autônomo? Deixa nos comentários, que nós te ajudamos. Acompanhe a FinanZero também nas redes sociais, para ficar por dentro de diversos assuntos: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.