País encerra mês de agosto com 12,9 milhões de desempregados. Setembro segue tendência de aumento do desemprego

A pandemia de coronavírus segue deixando marcas no brasileiro: o desemprego cresceu 27,6% em quatro meses, segundo dados do IGBE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Entre maio, mês considerado pico da Covid-19, e agosto, 2,9 milhões de pessoas ficaram desempregadas no país. Há, hoje, 12,9 milhões de desempregados no Brasil.

Mês a mês, esse número o aumento do desemprego vinha acontecendo exponencialmente, tendo sido especialmente representativo entre maio e junho:

  • Maio: 10,1 milhões de desempregados
  • Junho: 11,8 milhões
  • Julho: 12,2 milhões
  • Agosto: 12,9 milhões

Leia mais: Vendas com nota fiscal eletrônica cresceram 13,4% em agosto

Norte, Nordeste e Sudeste têm maiores taxas de desemprego

Todas as regiões do país sentiram a alta, mas o desemprego cresceu especialmente no Norte, no Nordeste e no Sudeste, que marcam taxas de 15,7%, 14,2% e 14%, respectivamente.

O Centro-Oeste, com taxa de 12,2%, e o Sul, com 10%, ficaram abaixo da média nacional. O Sul foi a única região que teve queda na população desempregada entre o período avaliado pelo estudo.

A média nacional da população ocupada (que reúne aqueles que trabalham com carteira de trabalho assinada ou são autônomos) teve queda de 2,7% no período, batendo 82,1 milhões de pessoas em agosto. Em maio, o índice era de 84,4 milhões de empregados.

Confira, na tabela abaixo, o volume de desempregados por região:

RegiãoVolume de desempregados
Norte1 milhão
Nordeste3.3 milhões
Centro-Oeste984 mil
Sudeste6 milhões
Sul1.5 milhão

Os números estão arredondados e, por isso, podem não somar 12,9 milhões com precisão.

Peça uma cotação grátis e receba ofertas de empréstimo pessoal de até 10 parceiros FinanZero!

Desemprego cresceu mais entre mulheres e pretos e pardos

O levantamento de IBGE destaca que as mulheres têm maiores taxas de desemprego do que homens, com 16,2% para elas e 11,7% entre eles.

Pretos e pardos também são mais afetados pela aumento do desemprego, representando 15,4% dos desempregados, contra 11,5% em relação aos brancos.

A idade é outro fator determinante no índice de desemprego, com jovens entre 14 e 29 sendo mais impactados pelo crescimento. Hoje, são 23,3% dos desempregados no país.

Sobre escolaridade, quem tem nível superior é menos afetado pelo aumento, representando 6,8% do total.

Veja também: TSE testará sistema de votação pela internet

Setembro segue com tendência de aumento do desemprego

Embora os números ainda não sejam consolidados, setembro segue a tendência anual de aumento do desemprego. Em relação aos dados finais de agosto, o índice cresceu 14,6% até agora no mês.

A soma deixa o país, atualmente, com 13,7 milhões de desempregados. Os dados, no entanto, podem mudar até o fechamento do período.

Segundo o governo federal, a expectativa é de aumento do desemprego também neste mês, mas em patamar inferior ao de agosto.

Entenda: Partidos criticam brechas em sistema de representação para negros

E você, está trabalhando ou sentiu o aumento do desemprego no Brasil? Conte sua história nos comentários.

Ah, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.