A modalidade de financiamento sem entrada não requer o pagamento de uma porcentagem no início do parcelamento, mas pode trazer algumas desvantagens; saiba mais

O financiamento sem entrada é uma solução para brasileiros que não tem uma reserva financeira para adquirir um bem, seja ele um automóvel ou um imóvel. No entanto, é importante lembrar que essa opção pode sair mais cara para o cliente.

Por isso, é necessário ter um planejamento financeiro maior e mais estruturado para que seja possível pagar todas as parcelas e não entrar em grandes dívidas com a instituição.

Como funciona o financiamento sem entrada?

Essa modalidade funciona como um financiamento normal, isto é, o cliente vai pagar o bem de forma parcelada, mas, nesse caso, não vai ter que adiantar uma porcentagem do valor total no início do pagamento.

Por isso, a grande vantagem de fazer um financiamento sem entrada é poder ter acesso a um bem sem ter que esperar acumular uma quantidade de dinheiro.

Contudo, essa modalidade também oferece algumas desvantagens como:

  • normalmente, as taxas de juros em um financiamento sem entrada são mais altas do que em financiamentos tradicionais;
  • parcelas mais caras do que em financiamentos tradicionais;

Além disso, essa opção não fica disponível para todos os clientes. Isso porque antes de liberar um financiamento sem entrada, a instituição financeira faz uma análise de crédito rigorosa, analisando alguns fatores como:

  • score;
  • risco de inadimplência;
  • renda da pessoa – isso porque caso o cliente não ganhe o suficiente para arcar com as parcelas, a instituição não vai liberar o financiamento sem entrada.
Glossário: o que é inadimplência?
Inadimplência é o descumprimento de alguma obrigação financeira. Isto é, o não pagamento das contas no nome do titular.

Leia também – Empréstimo para autônomo: o que é e como funciona?

Preciso ter score alto?

O score de crédito é um sistema de pontuação para avaliar se determinada pessoa é uma boa pagadora ou não. Essa pontuação varia entre zero e mil pontos e não é fixa, isso porque ela pode mudar ao longo do tempo de acordo com o histórico de pagamento da pessoa.

O pagamento atrasado e o acúmulo de dívidas, independente do valor, pode influenciar negativamente no score de crédito.

Por isso, as instituições utilizam essa ferramenta para conferir os riscos de inadimplência de uma pessoa. Isso porque a ideia é: quanto mais pontos a pessoa tem em seu score, menores são as chances de ser inadimplente.

Assim, ter um score alto pode influenciar positivamente na hora de solicitar um empréstimo, cartões de crédito e financiamento sem entrada.

Contudo, é importante lembrar que essa não é o único critério que as instituições financeiras consideram na hora de liberarem um financiamento sem entrada.

Como dito anteriormente, o score pode sim influenciar e é um dos fatores considerados, mas a renda da pessoa e da família também é analisado. Por isso, em muitas instituições se o valor da parcela comprometer mais de 30% do que o cliente ganha, o financiamento sem entrada é negado.

Leia também – Como aumentar o score de crédito?

Quais lugares oferecem financiamento sem entrada?

Não são todas as instituições financeiras que oferecem financiamento sem entrada. Isso porque a maioria dos bancos, principalmente os mais tradicionais, costumam pedir alguma porcentagem de entrada, normalmente ao menos 10% do valor.

Mas é possível encontrar instituições que tenham esse produto financeiro. Por isso, é importante consultar os bancos de sua confiança e comparar as ofertas e condições.

Como saber se um financiamento sem entrada vale a pena?

Apesar das vantagens de ter o bem sem a necessidade de pagar uma porcentagem do valor como entrada, o financiamento sem entrada não é uma opção para todos os clientes.

Por isso, é importante, em primeiro lugar, analisar a situação financeira:

  • coloque no papel todas as suas despesas;
  • quanto da sua renda você pode comprometer para financiar um bem?

Caso boa parte da sua renda já estiver comprometida, será necessário cortar alguns gastos e fazer ajustes para encaixar o financiamento. Contudo, se mesmo assim não existir uma brecha em seu orçamento: pode ser que o financiamento sem entrada não seja uma opção para você.

Além disso, é importante fazer uma simulação de financiamento sem entrada em diferentes instituições e comparar as ofertas. Isso porque o prazo de pagamento e a taxa de juros podem variar entre os bancos.

Por fim, ficou com mais alguma dúvida sobre financiamento sem entrada? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.