Por conta da medida, o Benefício Emergencial será pago por até seis meses

O governo federal prorrogou por mais dois meses o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. O projeto foi criado como uma das medidas contra os impactos econômicos que a pandemia do novo coronavírus provocou no país.

O programa permite que as empresas suspendam contratos temporariamente ou reduzam tanto a jornada de trabalho quanto o salário dos funcionários. Em contrapartida, o trabalhador recebe o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm).

Na sexta-feira (21), o ministro da Economia, Paulo Guedes já havia informado a prorrogação durante uma transmissão na internet. No entanto, somente na segunda-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) revelou em sua conta no Twitter que havia assinado o documento.

O decreto, que foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, foi publicado nesta segunda-feira (24) no Diário Oficial da União (DOU).

Veja mais – Simule seu empréstimo e encontre as melhores taxas de juros do mercado!

O que é o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda?

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda permite que as empresas suspendam contratos de trabalho ou reduzam tanto a jornada quanto o salário de seus funcionários.

O projeto foi anunciado em abril como uma medida para tentar evitar um aumento nos índices de desemprego do país. A medida provisória foi sancionada em julho e transformada em lei. A ideia é conter os impactos do coronavírus na economia.

Inicialmente, a previsão era de suspensão de contratos de trabalho por até dois meses. No entanto, em julho o governo prorrogou o programa, totalizando quatro meses.

Agora, com a nova prorrogação, as empresas vão poder suspender contratos de trabalho e reduzir as jornadas e salários por até seis meses.

Veja mais – Pronampe: apoio para pequenas empresas é prorrogado por três meses

O que é o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm)?

O benefício emergencial, também conhecido como BEm, é uma compensação paga aos trabalhadores que tiveram seus contratos suspensos ou salários cortados.

O pagamento do benefício está previsto na Medida Provisória (MP) 936/20, a mesma que permitiu que as empresas tornassem as relações trabalhistas mais flexíveis durante o período de calamidade pública.

Quem tem direito ao BEm?

Tem acesso ao benefício os trabalhadores que:

  • Tiveram o contrato de trabalho suspenso;
  • Tiveram a jornada de trabalho cortada e o salário reduzido,
  • Trabalhadores em regime de trabalho intermitente.

Veja mais – Programa do Facebook para pequenas e médias empresas é prorrogado

Quanto vou receber?

O valor do BEm é calculado pelo Ministério da Economia e corresponde a um percentual do seguro-desemprego do trabalhador. O benefício pode variar de R$ 261,25 até R$ 1.813,03.

No entanto, quando foi acordado entre as partes a redução de 25%, 50% ou 70% da jornada de trabalho, com a mesma redução do salário recebido, o valor equivale a essa mesma porcentagem do auxílio-desemprego que o trabalhador teria direito.

Para acompanhar o pagamento do benefício basta acessar o portal de serviços do Ministério da Economia ou aplicativo da Carteira de Trabalho Digital.

Ficou com mais alguma dúvida sobre o BEm ou sobre a redução de jornada e salários? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.