Gastar o 13º salário em contas é a prioridade, mas, se possível, separe um pouco para ser feliz

As empresas têm até dia 20 de novembro para pagar a primeira parcela do 13º salário deste ano.

O 13º salário é uma remuneração extra paga àqueles contratados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Se você quer saber mais sobre esse direito, role lá para baixo que a gente explica.

Por ser um extra, pode ser ótimo gastar o 13º para colocar as finanças em dia ou de pagar aqueles gastos a mais de início de ano.

Ainda assim, se conseguir guardar um pouquinho, essa é a melhor opção.

Então, vamos às dicas de como gastar o 13º:

Simule seu empréstimo com o melhor buscador de crédito pessoal online!

Gastar o 13º com contas e dívidas:

A melhor ideia é sempre começar a gastar o 13º fazendo pagamentos. Ou seja, você usar o dinheiro do 13º para pagar:

  • IPVA e IPTU;
  • Matrícula de escola, material escolar ou qualquer outro gasto de início de ano que você possa ter por aí; e
  • Dívidas.

No caso das dívidas, pode até compensar adiantar parcelas de acordos, quando há desconto. Assim, você se livra do débito e economiza.

Mas, claro, se possível, deixe um tantinho para outras coisas. É sobre isso a nossa próxima dica.

Golpe do empréstimo falso: “ela falava bem, foi muito convincente”

‘Separa 10% para ser feliz’

Gastar o 13º com presentes, por exemplo, também pode ser uma prioridade para você. Assim como viajar ou comprar algo para você.

Por isso, relembramos uma dica que a Ana Mukoyama deu neste artigo aqui: se possível, “separe 10% para ser feliz”.

Nesses 10%, portanto, você deve estabelecer qual é o sonho principal e se ater a ele.

Ainda restou? Bom para guardar o 13º

Pagou suas contas extras de início ou final de ano, suas dívidas e deixou 10% para outras questões e, ainda assim, sobrou uma graninha para gastar o 13º.

Que sonho, hein?

A ideia, agora, é guardar! Mas, se possível, saia da poupança. Ela tem um rendimento menor que a inflação e, por isso, não compensa.

Algumas opções para guardar o 13º são os investimentos de Renda Fixa. Eles rendem, em geral, mais que a poupança e também têm baixo risco.

Por exemplo, podem ser:

  • CDB (emitido por bancos);
  • LCI e LCA – Letra de Crédito Imobiliária ou do Agronegócio (emitido por bancos);
  • LC – Letra de Câmbio (emitido por financeiras);
  • Debêntures ( emitido por empresas);
  • Tesouro Direto (emitido pelo Governo);
  • CRA – Certificado de Recebíveis do Agronegócio (emitido por instituições securitizadoras);
  • CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários (emitido por instituições securitizadoras).

Saiba mais sobre fundos de Renda Fixa aqui.

Quem tem direito ao 13º e quanto recebe?

Agora que você já sabe como gastar o 13º, vamos saber seus direitos sobre ele.

O 13º salário existe no no Brasil desde 1962 e é pago para todos os trabalhadores que têm registro em carteira.

De acordo com a CLT, a cada mês de trabalho exercido, o trabalhador tem direito de receber um bônus equivalente a 1/12 do salário. 

Deste modo, o trabalhador recebe de 13º a mesma quantia do salário que de todo mês.

No entanto, caso você tenha trabalhado menos do que 12 meses na empresa, o cálculo irá considerar os meses trabalhados mais a última remuneração recebida. 

Black Friday: maioria vai comprar online, diz Google

E se você, por fim, tiver mais dúvidas sobre como guardar ou gastar o 13º? Bem, então, é só comentar!

Você também pode ver mais dicas lá nas nossa redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.