Mesmo estando com algum tipo de restrição no nome, os autônomos pode fazer a solicitação de um empréstimo. A vantagem é que hoje o mercado dispõe de diversas modalidades de crédito para esses profissionais

Até o final de 2020, mais de 14 milhões de brasileiros ficaram desempregados devido a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus. O levantamento foi feito pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). Por isso, diversos cidadãos passaram a buscar outras formas para complementar suas respectivas rendas.

A primeira alternativa, foi abrir seus próprios negócios. De acordo com Mapa das Empresas Ministério da Economia, o número de Microempreendedores Individuais (MEI) no ano passado cresceu cerca de 8,4% em relação ao ano de 2019. Atualmente, o número de MEIs corresponde aproximadamente à 56,7% do total de negócios em funcionamento no país.

Em seguida, outra alternativa recorrente tem sido as solicitações de empréstimo por parte desses profissionais independentes. Segundo os dados divulgados pelo buscador de empréstimos, FinanZero, o número de autônomos fazendo simulação de crédito em sua plataforma cresceu consideravelmente.

A fintech relatou um aumento significativo nas solicitações de janeiro de 2020 para janeiro de 2021. Ao total, houve um aumento de 59,2% na quantidade de autônomos que fizeram as solicitações juntamente com a FinanZero. Nesse sentido, a dúvida que permeia muitos microempreendedores é: mesmo estando negativado, eu posso fazer a solicitação do empréstimo?

E sim, autônomos que estejam com alguma restrição no próprio nome podem fazer a solicitação de empréstimo. Além disso, existem modalidades específicas disponíveis no mercado que podem ajudar esses profissionais. Abaixo listamos as principais linhas de crédito que podem auxiliar os autônomos que estão negativados, confira:

Clique aqui e faça sua solicitação de empréstimo com a FinanZero.

Empréstimo pessoal

A modalidade mais comum do mercado pode ser solicitada por autônomos que estejam negativados. Na prática, não há nada que impeça os profissionais independentes de fazerem a solicitação de empréstimo. Contudo, é preciso estar atento aos comprovantes de renda. Isto é, mesmo com restrições no nome o autônomo precisa comprovar sua renda mensal, e por isso, a seguir listamos alguns exemplos de comprovantes de renda que são aceitos para os autônomos:

  • Declaração do Imposto de Renda;
  • Extrato Bancário;
  • Decore Contador;
  • Pró-labore.

Assim sendo, cada instituição financeira tem um critério de quais documentos são aceitos na concessão de crédito para os autônomos. Por exemplo, a financeira X pode aceitar o extrato bancário como um comprovante, mas por outro lado, a financeira Y poderá aceitar um pró-labore. Portanto, é de suma importância que os solicitantes verifiquem diretamente com a financeira quais documentos são exigidos para a liberação do empréstimo.

Além disso, visando auxiliar ainda mais os autônomos negativados na concessão do empréstimo, diversos bancos tem disponibilizado ofertas alternativas dentro da modalidade de crédito pessoal. Por exemplo, empréstimos na conta de luz ou com o celular como garantia, são opções vantajosas para os autônomos que estão negativados. Isso porque, essas linhas de crédito tendem a ser aprovadas com mais facilidade.

Refinanciamento de imóveis: autônomos podem fazer?

Refinanciamento de imóveis ou veículos

Opção rentável para autônomos negativados que possuem algum bem em próprio nome, é colocá-lo como garantia do empréstimo. Hoje o mercado financeiro aceita veículos (carros, caminhões etc) e imóveis (casas, apartamentos, terrenos, comércios etc) como uma garantia que do valor pago será restituído. Nesses casos, a concessão do crédito costuma ser flexível pois a taxa de inadimplência é mais baixa.

Também é válido ressaltar que com essas modalidades os autônomos negativados conseguem: pedir maiores valores, com taxas mais baixas e prestações mais extensas. Desse modo, as prestações variam de 48 até 240 meses. Os juros, por outro lado, estão entre 0,75% à 0,99% ao mês e as condições dependem exclusivamente do tipo de refinanciamento que o cliente vai fazer.

Em resumo, mesmo que os bens estejam parcialmente pagos – 15%, 30% ou 50% – os autônomos negativados podem fazer as solicitações, visto que, muitas financeiras já fazem análise de bens que estejam sob essas condições. É claro que se o imóvel ou veículo estiver quitado integralmente, as chances de aprovação são mais assertivas, contudo, esse não é um fator determinante para a liberação do empréstimo.

Não consegui empréstimo para negativado, e agora?

Empréstimo via cartão de crédito

Por fim, autônomos negativados que tenham cartão de crédito em próprio nome podem usá-lo como uma forma para conseguir ter o dinheiro em mãos. Isto é, atualmente existem financeiras no mercado que utilizam o limite do cartão de crédito disponível do cliente, para fornecer o valor em espécie aos mesmos. Gradualmente, as parcelas são descontadas diretamente na fatura do cartão de crédito.

A solicitação é similar ao crédito pessoal e o cliente fará a cotação baseando-se no seu limite disponível, em seguida, poderá escolher em quantas prestações deseja pagar o valor solicitado. Assim como toda operação de crédito, o pedido irá passar por uma política de crédito que irá determinar ou não a concessão do valor. Todavia, se o cliente possuir o limite disponível no cartão, as chances de recusa são baixas e o autônomo só precisa se preocupar em fazer o pagamento da sua fatura mensalmente.

Quando devo optar por um refinanciamento?

Por fim, ficou com dúvidas sobre o empréstimo para autônomos negativados? Se sim, deixe aqui nos comentários que a FinanZero está à disposição.

Ademais, siga a FinanZero nas redes sociais para mais dicas e para nos acionar quando quiser: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.