Programa, Bolsa Família, já ameaçado pelo atual Governo tem a pretensão se melhorar em 2021, com mais atributos para os beneficiários

O Bolsa Família está sendo destaque nos veículos de comunicação e também para os inscritos no programa devido possíveis mudanças que podem vir em 2021.

Pois, na semana que vem começa o ano novo o qual estará chegando com novas esperanças e uma vontade enorme de vencer o novo coronavírus, o qual trouxe consigo uma pandemia que liquidou com parte da economia do País.

Mas, 2021 também será um ano em que, pelo que parece, não haverá o auxílio emergencial, o que afetará milhares pessoas que passaram a depender do benefício no período de pandemia.

Sem o auxílio emergencial as pessoas que precisam não sabem onde recorrer e ter uma ajuda. É nessa hora que o Bolsa Família volta a ter o seu destaque, e o que motivou essa atenção toda, foi o fato do governo declarar que pretende ampliar o programa social além de liberar um valor maior do que o atual pago pelo Bolsa Família.

Qual vai ser o aumento do Bolsa Família?

Primeiramente a intenção é aumentar o valor do Bolsa Família para R$ 200 após terminar os pagamentos do auxílio emergencial. Outro estudo do governo é a possibilidade de incluir mais 300 mil famílias no programa de transferência de renda.

Entretanto, essas duas medidas só poderão se realizar se o governo fizer corte de gastos no Orçamento. Pois, o Bolsa Família já recebeu um aumento de 18% comparado a 2019.

No entanto com o valor extra, o Ministério da Cidadania irá decidir como usar, tendo em vista duas opções:

  • ampliar o número de famílias contempladas;
  • aumentar o valor pago atualmente.

Veja também – Auxílio emergencial: último pagamento para Bolsa Família com NIS 5

O Governo Federal está com interesse de incluir outros benefícios dentro do Bolsa Família. Como por exemplo:

  • Auxílio-creche mensal de R$ 52 por filho de até 5 anos;
  • Prêmio anual de R$ 200 para os alunos com os melhores notas;
  • Bolsa mensal de R$ 100, além de prêmio anual de R$ 1.000, para estudantes que se destacaram em ciência e tecnologia;
  • Bolsa mensal de R$ 100, além de prêmio anual de R$ 1.000, para alunos que obtiverem os melhores desempenhos em atividades desportivas;
  • Auxílio-creche no valor de R$ 200 para as mães inscritas no Bolsa Família.

Quem pode receber o Bolsa Família em 2021?

As famílias brasileiras com renda mensal de até R$ 178,00 por pessoa podem solicitar o benefício. O Bolsa Família abrange grupos familiares formados por gestantes e crianças ou adolescentes entre 0 e 17 anos. Além disso, todos os integrantes da família precisam estar inscritos no Cadastro Único para programas sociais do governo federal.

Confira mais clicando aqui –Salário-maternidade: saiba quais são os pré-requisitos e como saber o valor a receber

Qual o valor atual do Bolsa Família?

O programa possui três categorias, de acordo com o perfil dos integrantes da família beneficiária. Entenda a diferença entre as categorias do benefício:

Benefício Básico

Atribuído às famílias em situação de extrema pobreza (renda mensal de até R$89,00 por pessoa). Dessa forma, o valor oferecido é de R$ 89,00 por dependente.

Benefício Variável

Essa categoria contempla famílias consideradas pobres, que tenham gestantes, mães em amamentando, crianças e adolescentes de 0 a 15 anos. O valor atribuído é de R$ 41,00 e cada grupo familiar pode acumular até no máximo 5 benefícios mensais, totalizando R$ 205,00.

Regras para essa categoria:

  • As mães em fase de amamentação podem receber até seis parcelas do Bolsa Família. Todavia, a criança precisa estar devidamente cadastrada no sistema único do governo.
  • As mulheres em período de gestação podem receber até nove parcelas, sendo assim consecutivas. Porém com um adendo, desde que a gestação tenha sido diagnosticada até o nono mês gestacional.

Veja mais em – Fase Vermelha em SP: o que funciona com as novas restrições de fim de ano?

Além disso, ainda ficou com mais alguma dúvida? Deixe nos comentários e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.