Com a Selic em baixa e o mercado aquecendo, os fundos imobiliários ganham popularidade

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) é um dos melhores jeitos de ganhar dinheiro com imóveis, porque com ele você nem precisa ser dono de um.

Um dos investimentos mais populares, teve um aumento de 188% em 2019, o número de investimentos, em dezembro de 2019, aumentou em 10,29% por exemplo. Pode ser uma ótima opção para diversificar sua carteira, podem ser isentos de IR e com a baixa na Selic se tornaram mais atrativos ainda.

Taxa Selic e Fundo imobiliário

A taxa Selic influencia diretamente a rentabilidade de investimentos mais conservadores, como a poupança por exemplo. Enquanto investimentos de fundo imobiliário se beneficiam da Selic em baixa, já que a venda de imóveis nessa condição tem mais vantagens.

Os investimentos em fundos imobiliários tem retornos com base em alugueis pagos por inquilinos e venda de imóveis por exemplo.

Esse ano a taxa Selic bateu recorde de queda, atingiu 2% ao ano, menor valor registrado. Com isso investidores de fundos mais conservadores recorrem aos um pouco mais arriscados, mas com mais retorno.

Mercado imobiliário volta a crescer no terceiro trimestre

Como funcionam?

Alguns tipos de fundo imobiliário são:

  • Fundo de tijolo ou de renda – Nesse caso o investimento é em imóveis reais, e ele lucra com aluguel ou venda. Nele podem investir em diferentes regiões, em um só imóvel, ou tipos de empreendimento, como hotéis por exemplo;
  • Fundo de papel ou de recebíveis – Já nesse caso, investem em compra de títulos ligados ao mercado imobiliário e não em imóveis em si. Podem ser carteiras de hipotecas ou crédito imobiliário por exemplo;
  • Fundos híbridos – Enquanto nesse último caso os investimentos podem misturar os dois. Aqui usam tanto investimentos em imóveis em si, quanto em títulos.

O patrimônio de fundos imobiliários é dividido em cotas, e o investidor as adquire. O lucro é com base na quantidade de cotas que o investidor tem.

O valor dessas cotas pode ser menor que R$ 100, e você pode investir em fundos a partir de uma. Para investir em FII também cobram as taxas de administração. Mas não só isso, caso o desempenho fundo seja superior ao do indicador de referência, a taxa de performance pode ser cobrada.

Além disso, as compras e vendas de ações também podem ter a taxa de corretagem. Essa taxa é paga a corretora que intermedia as operações, ela também pode cobrar pela guarda das cotas.

Fundo de investimento: o que é e quais os tipos?

Como os rendimentos são pagos

Os rendimentos de fundos imobiliários devem, por lei, ser pagos pelo menos uma vez por semestre. Entretanto, muitos optam por pagar uma vez ao mês. Os rendimentos podem ter como base:

  • A renda do aluguel;
  • Incorporação ou venda de direitos reais sobre imóveis;
  • Em terceiro lugar, podem ganhar com juros de títulos e valores mobiliários.

É comum que os rendimentos de FII sejam superiores a taxas de referência, como o CDI por exemplo. Porém a instabilidade também é comum, já que o investimento é baseado em imóveis e as vendas ou alugueis podem não ser como o esperado.

O rendimento é isento de imposto de renda se:

  • O cotista tiver menos que 10% da cotas;
  • Em segundo lugar, se o fundo tiver no mínimo 50 cotistas;
  • Em terceiro lugar, se as cotas forem negociadas somente me n=bolsa de valores ou mercado de balcão organizado

Além disso, lucros em função de valorização de cotas, por exemplo, paga imposto de renda de 20% no momento da venda.

Empréstimo compulsório: entenda o que é

O que são fundos imobiliários?

Um FII é composto por um grupo de investidores, nele aplica-se o dinheiro em imóveis comerciais ou fundos de renda fixa atrelados ao mercado imobiliário. Há fundos que lucram com valorização e outros com aluguel.

Depois os lucros desses investimentos vão, proporcionalmente, para os investidores, quanto mais você investe maior o retorno.

Os fundos imobiliários têm objetivos e políticas predefinidos, ou seja, regras que o gestor deve seguir sobre o que fazer com os recursos.

O cotista, isto é, quem investe dinheiro no fundo, não tem nenhum direito real sobre o empreendimento do fundo, como um proprietário de imóvel teria. Embora haja esse contra, com ele vem o pró de que o cotista não tem também as obrigações com o imóvel.

As obrigações com os imóveis são da administradora responsável pelo funcionamento e manutenção da carteira.

Lei: Entenda se vale a pena fazer um investimento

Quer saber mais? Ficou com alguma dúvida? Se precisar, é só perguntar.

Por fim, não esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram; FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.