O sonho de muitos brasileiros é financiar um apartamento ou casa, entenda esse processo aqui

A grande maioria das pessoas tem como um de seus objetivos comprar um imóvel próprio, sendo ele uma casa, um apartamento ou um sítio. Mas mesmo assim não é algo tão simples, já que um imóvel não é barato

Por isso muitos recorrem a um financiamento, seja para apartamento ou casa, porque muitos não tem o valor à vista. O financiamento está disponível em muitas instituições financeiras e no geral pedem os mesmos documentos:

  • O documento de identidade, bem como o CPF, originais e cópias;
  • Comprovante de estado civil e, se for casado, os documentos do cônjuge;
  • Os bancos também pedem comprovante de residência;
  • Em seguida o extrato do FGTS;
  • Assim como o comprovante de renda;
  • Se acaso você é autônomo, o documento para comprovar a renda é o imposto de renda, contrato de prestação de serviços ou declaração de sindicato

Mas lembre-se que todos os pedidos para financiar um apartamento, ou qualquer outra coisa, estão sujeitos a uma avaliação de crédito. Nesse momento o banco confere se suas informações são verdadeiras e se sua renda é suficiente para pagar essa dívida.

No geral as parcelas do financiamento não pode ser maior que 30% da sua renda mensal, sendo assim, se o valor ultrapassar esse limite o banco pode não liberar o seu financiamento.

Para ter as melhores condições no seu empréstimo confira o simulador da FinanZero!

Como financiar um apartamento

em primeiro lugar você precisa saber que não tem que ser cliente de um banco para fazer o financiamento por ele, esse serviço está disponível para qualquer um, mediante avaliação de crédito.

Entretanto, ser cliente do banco pode facilitar o processo e trazer algumas vantagens, porque sendo cliente o banco já conhece seu perfil e suas movimentações, o que pode facilitar que o mesmo aprove seu financiamento.

Para iniciar esse processo você deve ir ao banco que escolheu e levar seus documentos iniciais, logo após isso eles irão pedir outros documentos. Entre esses documentos estarão os dados do imóvel que você irá financiar. Aqui entra uma um ponto de alerta, se acaso o imóvel tiver qualquer irregularidade o banco pode negar o financiamento.

O valor de entrada de financiamento de um imóvel deve ser de 10% a 20% do valor total e você pode usar o FGTS para compor esse valor. Além disso as parcelas não podem comprometer mais que 30% da sua renda mensal e você pode usar mais um participante para isso.

Quanto mais alto é o valor de entrada menores são as parcelas e mais fácil é conseguir. O cálculo das parcelas para financiar um apartamento, ou qualquer outro imóvel, acontece com base em cinco fatores:

  • Em primeiro lugar a amortização, que é o pagamento do dinheiro que foi emprestado;
  • Bem como os juros, é aqui que o banco tem o lucro;
  • Os serviços administrativos, que mudam de uma instituição para a outra;
  • Em seguida o seguro de danos físicos ao imóvel, que cobre coisas como incêndios, explosões, danos da natureza, como raios e furações;
  • E, por fim, o seguro de morte e invalidez permanente, que irá garantir que sua dívida seja paga mesmo que você não possa pagá-la

Leia: Quem recebe o PIS/Pasep 2020-2021 em fevereiro?

Etapas do financiamento

O financiamento imobiliário consiste em algumas etapas, são elas:

  • A primeira etapa para financiar um apartamento é a análise de crédito, como já citamos antes;
  • Logo depois vem a escolha do imóvel, é recomendável que você tenha algumas opções, para se o banco negar uma delas;
  • Em seguida acontece a avaliação de engenharia, aqui um engenheiro irá avaliar as condições do imóvel. Entre outras coisas, ele irá garantir que o valor é o praticado no mercado;
  • Então vem a etapa de análise jurídica, aqui toda a documentação passa por uma avaliação, dependendo do caso o banco pode pedir outros documentos;
  • A elaboração do contrato acontece acontece logo depois, com a aprovação dos documentos;
  • Depois disso as partes assinam esse contrato;
  • Depois da assinatura do contrato acontece o registro em cartório, e lá eles podem cobrar uma taxa e comprovante de pagamento do TBI;
  • E, por fim, você deve levar o registro ao banco. Então eles farão uma última análise e após isso liberam o dinheiro para você financiar seu apartamento.

Confira: O que é CDB?

Tipos de financiamento

Se acaso você está pensando em usar um financiamento, saiba que você pode financiar um apartamento, mas também outras coisas. Esse tipo de crédito está disponível para imóveis, automóveis e também existe o financiamento estudantil, além de muitos outros.

O financiamento imobiliário, do qual falamos ao longo desse texto, é uma opção tanto para a compra de imóveis novos quanto usados. Além disso, também serve para compra de lotes, reformas e construções. Ele pode acontecer por qualquer banco.

O Sistema Financeiro de Habitação (SFH), que surgiu em 1964, e é um programa governamental. Ele tem foco na população com baixa renda e suas características são:

  • Ele pode financiar até 80% do imóvel;
  • Esse financiamento tem limite de valor do imóvel de R$ 1,5 milhão;
  • Bem como tem limite para quitar a dívida, de 35 anos;
  • Além disso as parcelas dele não podem ser maiores que 30% da renda mensal;
  • Os juros da modalidade estão entre 7% e 8% ao ano, e o máximo a que ela pode chegar é 12% ao ano. Com tendência de queda, devido a Selic em baixa;
  • Em seguida a condição que só pessoa física pode pedir esse financiamento

O SFI surgiu em 1997, para atender aos que não se enquadravam no SFH, e suas características são:

  • Em primeiro lugar, nele não tem um limite de valor para o imóvel;
  • Aqui o financiamento pode chegar a 90% do valor, diferente do SFH que é 80%;
  • Além disso aqui também não existe limite de renda para comprometer nas parcelas;
  • Assim como também não limita essa opção só a pessoas físicas;
  • Aqui, assim como no SFH, o prazo máximo para quitar é de 35 anos;
  • Mas também não existe um limite para os juros, que podem varias de 12% a 16% ao ano

Tipos de amortização

Amortização é a redução do valor de uma dívida através do pagamento de parcelas, e ela é feita sobre o valor principal ou seja, o valor que foi emprestado. Esse é um outro fator importante ao financiar um apartamento, ela pode seguir três sistemas diferentes: SAC, Sacre ou Tabela Price.

O Sistema de Amortização Constante (SAC) tem o valor de parcelas decrescente, amortização constante, na qual a primeira parcela é mais cara e vai diminuindo. Em comparação a Price, por exemplo, o saldo devedor diminui de forma mais rápida. Além disso os juros tendem a ser menores ao fim do prazo e é mais comum em imóveis.

Enquanto o sistema SAC é mais atrativo, o Price nem sempre é a melhor opção para financiar seu apartamento. Ele tem parcelas iguais do início ao fim, amortização crescente e as parcelas vão aumentando. Sendo assim, o saldo devedor diminui mais lentamente e tem juros maiores ao final, ele é mais usado para financiar carros.

O Sistema de Amortização Crescente (Sacre) é uma combinação dos outros dois. Ele tem parcelas fixas, mas inicia com juros mais altos, sendo assim no início você vai pagar mais as taxas e ao final elas serão mais baixas. A Sacre e a SAC são mais vantajosas que a Price e os juros pagos ao fim das parcelas é menor nelas.

Veja: Qual o melhor site para comprar produtos eletrônicos?

Coisas para prestar atenção antes de finalizar o processo

Antes de tudo você deve estar consciente de quanto pode gastar, entender sua renda e quais são seus gastos mensais. Financiar um apartamento é uma dívida de longa prazo e não pode prejudicar que você viva, coma e se locomova.

Você também precisa estar pronto para emergências, se seu salário atrasar, se uma das pessoas perder o emprego, você vai consegui honrar com suas dívidas? Por isso é tão importante ter também sua reserva de emergência, o que nos leva a outro tópico: não use toda sua reserva para dar a entrada no imóvel.

Ao escolher o apartamento preste atenção aos detalhes como:

  • Saber se ele supre as necessidades da sua família;
  • Bem como conferir se o preço dele cabe no seu planejamento, lembre que você precisa pagar outras contas;
  • Tenha certeza que o imóvel está em boas condições, confira se ele precisa de reparos;
  • Localização é outro fator importante, saiba se ele está em um bairro seguro, esse é um compromisso que pode chegar a 30 anos, você provavelmente não poderá sair a hora que quiser

Leia também: Por que meu refinanciamento de imóvel foi recusado?

Então, ficou com alguma dúvida? Pergunte nos comentários.

E, por fim, não esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram; FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.