Empréstimo pessoal: como solicitar, como funciona o pagamento com carnê e com boleto e qual das duas opções é a melhor

De acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE), em cerca de 6 milhões de domicílios, onde 68,7 milhões foram avaliados, algum morador fez a solicitação de um empréstimo. Com isso, podemos perceber o quanto a população brasileira faz a solicitação de empréstimos, seja para quitar dívidas ou comprar um bem móvel ou imóvel.

A FinanZero é um buscador de empréstimo que conta com mais de 50 parceiros que podem disponibilizar ofertas para os nossos clientes. Além do empréstimo pessoal, os clientes podem fazer a solicitação de:

  • Empréstimo consignado;
  • Refinanciamento de veículo;
  • Refinanciamento de imóvel;
  • Cartão de crédito;

São muitas opções de pagamento e com isso os clientes podem ficar na dúvida entre as opções e quais se encaixam melhor nas realidades em questão. Por isso, abaixo estão listadas a principais questões sobre o assunto, assim como a resposta sobre qual é a melhor forma de pagamento: Carnê ou boleto?

Como solicitar certidão para o saque do PIS Pasep?

Como solicitar um empréstimo pessoal?

A solicitação de empréstimo por meio da FinanZero é simples, rápida e sem burocracia. Para solicitar basta seguir o passo a passo:

  1. Acesse o site da FinanZero e em seguida inicie a simulação;
  2. Preencha o formulário com as informações solicitadas;
  3. Aguarde a pré-aprovação dos parceiros da FinanZero;
  4. Escolha uma entre as ofertas que serão enviadas;

Como funciona empréstimo pessoal no carnê?

Ao pagar o empréstimo pessoal utilizando o carnê as parcelas que precisam ser pagas mês a mês, até a quitar a dívida, são informadas de uma única vez. Dessa forma, com o carnê, o valor que precisa ser pago mensalmente já é informado assim como a quantidade de parcelas.

Com o carnê o cliente tem acesso aos valores de todas as suas parcelas de uma única vez, pagando por elas mensalmente e podendo assim ter um controle financeiro maior. Essa opção pode ser vantajosa para quem não possui um cartão de crédito ou não possui o limite suficiente para que as parcelas sejam descontadas.

Contudo, existem algumas desvantagens que devem ser levadas em consideração, como os valores dos juros que, em geral, são mais altos ao escolher o pagamento por meio de carnê pois a inadimplência é maior. Além disso, ao perder o carnê, o cliente pode ter que pagar uma multa e fazer todo o processo de solicitação para receber um novo.

Quem tem direito a escritura gratuita?

Como funciona o empréstimo pessoal no boleto?

O pagamento de um empréstimo pessoal por meio de boleto funciona da mesma forma que o pagamento em carnê. Isso porque os pagamentos continuam sendo mensais e é possível verificar o valor das parcelas de uma única vez.

Contudo, existem duas diferenças entre as modalidades, uma delas é que com o pagamento por boleto a opção de solicitar uma segunda via por motivos de perda, ou qualquer outra situação, é simples e não querer que nenhum valor seja pago para isso. A outra diferença é que ao escolher o método boleto e desejar quitar a divida antes do prazo um desconto é aplicado e a dívida pode diminuir.

As taxas de juros para o empréstimo pessoal pago em boleto pode variar, na finanzero as taxas são de no mínimo 1,49% ao mês. A variação nas taxas de juros se dão por alguns motivos como:

  • Score;
  • Profissão;
  • Renda;
  • Histórico de pagamentos;
  • Bens móveis;

Além disso, a FinanZero possui mais de 50 parceiros e com isso, cada um pode cobrar uma taxa de juros diferente por questões relativas a eles.

Empréstimo pessoal no carnê ou boleto?

O empréstimo pessoal pode ser pago de diversas formas como:

  • Boleto;
  • carnê;
  • Cartão de crédito;
  • Via conta de luz;

Cada uma das opções de pagamento possuem vantagens e desvantagens, a escolha da melhor deve ser individual e feita com cautela. No caso da escolha entre carnê ou boleto, algumas questões sobre cada um deles foram comentadas e podemos perceber que cada um possui características diferentes e algumas questões devem ser analisadas, como:

  • Ao perder o carnê é preciso pagar uma multa;
  • Pedir a segunda via de um boleto é um processo simples;
  • Com o carnê é mais fácil de ter um controle financeiro por visualizar as parcelas de uma única vez;
  • As taxas de juros podem ser maiores com o carnê;

Além disso, é preciso verificar com a instituição financeira quais são as condições ofertadas para cada uma das opções de pagamento e assim, escolher a melhor opção para cada realidade. Sendo assim, a melhor opção é aquela que melhor se encaixa na realidade do cliente e que faz sentido levando em consideração sua situação atual, sendo necessário analisar todas as possibilidades antes de tomar uma decisão.

Como recuperar senha do meu INSS?

E então, restou mais alguma dúvida sobre o pagamento do empréstimo pessoal em carnê ou boleto? Se sim, deixe aqui o seu comentário que nós lhe ajudamos.

Além disso, siga a FinanZero nas redes sociais para mais dicas e para nos acionar quando quiser: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.