FinanzeroBlogCrédito

Qual a diferença entre empréstimo pessoal e financiamento?

Qual a diferença entre empréstimo pessoal e financiamento?

Compartilhe esse post:WhatsappFacebookLinkedInTwitter

Uma das principais diferenças entre o empréstimo pessoal e o financiamento é a finalidade do dinheiro concedido.

Conforme divulgado no Índice FinanZero de Empréstimo (IFE), o número de solicitações de empréstimo cresceu 144% em setembro de 2021, comparado ao mesmo período do ano anterior. Neste mesmo período, 26,18% dos entrevistados tinham a intenção de solicitar um empréstimo para reformar a casa.

Em situações como essa, o financiamento pode ser uma alternativa aos modelos convencionais de empréstimo. A modalidade também se trata de um produto financeiro oferecido por bancos e instituições, mas que possui finalidade, taxas e prazo de pagamento diferente.

Compare ofertas de empréstimo pessoal com taxas de juros a partir de 1,49% ao mês!

O que é empréstimo pessoal?

Também conhecido como crédito pessoal, é uma linha de crédito voltada à pessoa física, desde que tenha a partir de 18 anos de idade. Além disso, é uma modalidade destinada, principalmente, para quem precisa de valores mais baixos e liberação rápida, já que o processo de solicitação e concessão da quantia é considerado menos burocrático.

Dessa forma, o crédito pessoal pode ser considerado uma boa alternativa para quem precisa de dinheiro para resolver uma emergência ou quitar dívidas, por exemplo, pois o consumidor pode utilizar o valor da forma que preferir.

Quais documentos preciso enviar para fazer um empréstimo pessoal?

Como funciona o empréstimo pessoal?

Assim como em outras modalidades, a concessão do empréstimo online acontece através de um contrato entre o cliente e a instituição financeira. Portanto, o solicitante recebe uma determinada quantia, que é concedida após a análise de crédito. Esse dinheiro, no entanto, é devolvido à instituição de forma parcelada e acrescido de juros, mediante contrato pré-estabelecido.

O empréstimo pessoal, como dito inicialmente, é considerado menos burocrático, já que não conta com um bem como garantia, como acontece no empréstimo com garantia, por exemplo. Logo, o processo de aprovação requer, de modo geral, somente a análise de crédito, que conta com a avaliação da renda e o relacionamento do solicitante com o mercado.

Por outro lado, o crédito pessoal é a modalidade com a maior variação de taxa de juros do mercado. De acordo com o Banco Central, na primeira semana de fevereiro de 2022 os juros para empréstimo pessoal começavam em 1,07% ao mês e chegavam até 22,49% ao mês. Isso acontece porque a definição do percentual aplicado varia de acordo com perfil do solicitante, ou seja, a partir da análise de crédito, é definido o valor concedido, bem como a taxa de juros aplicada e o prazo de pagamento.

Precisa pagar uma taxa para liberar o empréstimo pessoal?

Não é necessário pagar qualquer taxa ou realizar depósito para liberar o empréstimo pessoal. Inclusive, a cobrança de pagamentos antecipados é considerada ilegal pelo Banco Central. Portanto, em caso de solicitação, o solicitante deve denunciar a instituição ou empresa que realizou a cobrança, já que há probabilidade de caracterizar um golpe.

Caí no golpe do empréstimo, o que fazer?

O que é financiamento?

O financiamento funciona como um empréstimo, e é utilizado para a aquisição de bens com valores mais elevados, como imóveis, veículos e maquinários, por exemplo. Na prática, ao realizar um financiamento, a instituição financeira escolhida realiza o pagamento à vista do bem diretamente ao vendedor ou concede a quantia solicitada através de um contrato com condições pré-estabelecidas.

O consumidor que solicitou o financiamento, por sua vez, realizará o pagamento de forma parcelada à instituição em questão, que contará com o acréscimo de juros. Durante o financiamento, isso é, enquanto é feito o pagamento das parcelas, o consumidor pode usufruir do bem, contudo, somente após quitar a dívida o documento de posse será entregue ao proprietário.

Quem é autônomo consegue fazer financiamento?

Quais são os tipos de financiamentos de veículos?

O processo de financiamento de veículo segue como explicado no tópico anterior, contudo, alguns detalhes podem mudar de acordo com a instituição escolhida. Apesar disso, cabe ressaltar que as prestações são compostas, de modo geral, pelos juros pré-estabelecidos em contrato, impostos como o IOF e tarifas de operação.

A seguir, vamos mostrar três tipos de financiamentos de veículos.

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

O Crédito Direto ao Consumidor é considerado o financiamento de veículo mais popular do mercado. Nessa modalidade, a solicitação e concessão do crédito é feita diretamente entre a instituição e o cliente. Portanto, a instituição concede a quantia ao cliente, que por sua vez, adquire o veículo que deseja.

A partir daí, o pagamento é feito pelo consumidor à instituição financeira que concedeu o valor, de forma parcelada. Uma das características do CDC é que não é utilizada a alienação fiduciária, portanto, o bem adquirido fica no nome do consumidor imediatamente.

Compare ofertas de empréstimo pessoal em 5 minutos! Clique aqui e cadastre-se agora mesmo, tenha acesso a ofertas pré-aprovadas de crédito de forma rápida e fácil.

Financiamento entre particulares

O financiamento entre particulares consiste em financiar um veículo adquirido de outra pessoa física, que pode ser um amigo, familiar ou através de um anúncio na internet. Neste caso, o consumidor deve realizar o pedido junto à instituição escolhida, que por sua vez, ajuda na proposta e realiza uma análise de crédito.

Empréstimo pessoal e financiamento

Se aprovado, após a assinatura dos documentos, há duas possibilidades de concessão do dinheiro: a instituição libera a quantia diretamente para o vendedor do veículo ou o valor é pago ao consumidor, que em seguida deve realizar o pagamento ao proprietário em questão. Em ambos os casos, a pessoa que solicitou o financiamento terá uma dívida com a instituição que concedeu o crédito, e não com o vendedor do veículo.

Consórcio

O consórcio é organizado por uma administradora de consórcios, e nele o consumidor faz parte de um grupo com outros compradores. Então, mensalmente um membro desse grupo é sorteado e recebe a carta de crédito para aquisição do automóvel.

De modo geral, é como se fosse uma conta poupança conjunta, em que diversas pessoas interessadas depositam o valor da prestação mensalmente. Os valores depositados, então, são utilizados para pagar a carta de crédito do consorciado sorteado.

Além dos sorteios, há também a possibilidade do consumidor ter acesso à carta de crédito através do lance. Dessa forma, os clientes realizam uma oferta pela carta de crédito, como num leilão, e o lance maior fica com a carta. Esses lances nada mais são do que o adiantamento de parcelas.

Diferente das modalidades citadas, o consórcio não conta com juros, somente correção monetária e taxa de administração.

Como pausar o financiamento habitacional da Caixa?

Quais são os tipos de financiamentos imobiliários?

O financiamento imobiliário segue a mesma lógica do financiamento de veículo, com a diferença de que, neste caso, a concessão do crédito é para a aquisição de uma casa, terreno ou apartamento. A seguir, mostraremos alguns tipos de financiamentos imobiliários.

Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

O SFH é um programa do governo federal e, por isso, é regulado pelo poder público. O objetivo desse financiamento é oferecer crédito com pagamento a longo prazo e juros baixos, inclusive, é o modelo mais utilizado no Brasil.

Portanto, no financiamento via SFH o valor do imóvel não deve ultrapassar R$1,5 milhão e o prazo de pagamento pode chegar a 35 anos. A taxa de juros anual é fixa e limitada a 12%, além disso, as parcelas não devem ser superiores a 30% da renda mensal bruta.

Ainda no que diz respeito ao pagamento, o consumidor pode utilizar o valor do saldo do FGTS como entrada no financiamento ou para liquidar o saldo devedor. Para isso, é preciso se encaixar nos critérios estabelecidos pela Caixa Econômica Federal, principal intermediadora.

A base de recursos do Sistema Financeiro de Habitação é a caderneta de poupança e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), além da emissão de títulos de crédito imobiliário, como Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Cédulas de Crédito Imobiliário (CCI).

Encontre as condições ideais de juros e parcelamento para o seu empréstimo pessoal! Clique aqui e confira, taxas de juros a partir de 1,49%.

Sistema Financeiro Imobiliário (SFI)

O SFI foi criado com o intuito de atender os consumidores que não se encaixam nos requisitos do SFH, dessa forma, oferece regras consideradas mais flexíveis, como não estipular um valor máximo para o imóvel que será financiado, bem como não definir um limite de comprometimento da renda.

No Sistema Financeiro Imobiliário a concessão do crédito pode variar entre 80% e 90% do valor do imóvel, e o prazo para quitar a dívida é de até 420 meses. Assim como no SFH, a taxa de juros é de 12% ao ano.

Por outro lado, uma das características que diferencia o SFH do SFI é que os recursos deste são oriundos de investidores do setor imobiliário, como bancos e financeiras, logo, a solicitação pode ser feita diretamente aos bancos e instituições autorizados pelo Banco Central.

Por fim, vale ressaltar que no Sistema Financeiro Imobiliário a garantia de pagamento está atrelada à alienação fiduciária, isso significa que em caso de inadimplência, o imóvel pode ser tomado após 90 dias de atraso, pois a propriedade pertence ao banco enquanto a dívida não for quitada.

Contribuição ao INSS tem novos valores, entenda.

Empréstimo pessoal e financiamento

É possível financiar uma reforma?

Sim, é possível solicitar um financiamento para realizar a reforma da casa ou apartamento. Conhecido como crédito ou financiamento para reforma, o modelo é oferecido por bancos privados e também pode ser acessado através de programas governamentais, como o Construcard, da Caixa Econômica Federal.

Os valores concedidos através dessa modalidade de financiamento podem cobrir até 100% dos gastos com a obra, além disso, é comum que as taxas de juros sejam mais baixas, quando comparadas aos cartões de crédito, cheque especial e, em alguns casos, até mesmo o empréstimo pessoal.

O prazo de pagamento do financiamento para reforma pode variar de acordo com a instituição, portanto, é possível encontrar prazos que começam em 24 meses e vão até 236 meses. Da mesma forma acontece às taxas de juros, que oscilam a partir da instituição que concede, bem como leva em consideração o perfil do solicitante.

Qual empréstimo tem menos juros?

Qual a diferença entre empréstimo pessoal e financiamento?

Conforme mostrado, apesar de se tratarem de produtos financeiros, o empréstimo pessoal e o financiamento são modalidades diferentes disponíveis no mercado de crédito. Pensando nisso, a seguir listamos quatro principais diferenças entre o empréstimo pessoal e o financiamento.

Finalidade

A principal diferença entre o empréstimo pessoal e o financiamento é a finalidade do dinheiro. Portanto, enquanto no empréstimo pessoal o consumidor pode utilizar a quantia obtida para diversos fins, como quitar dívidas, viajar, investir ou pagar estudos, por exemplo, no financiamento o valor é aplicado em algo específico.

Portanto, quem solicita o financiamento imobiliário, deve utilizar a quantia, obrigatoriamente, para adquirir uma casa, apartamento, terreno e afins. Quem solicita o financiamento de veículo, por sua vez, também deve aplicar a quantia na compra de um veículo, podendo ser uma moto, carro ou outro automóvel.

Portanto, de forma resumida: no empréstimo pessoal o consumidor não precisa prestar contas sobre o uso do dinheiro, já no financiamento é necessário estipular o que será adquirido, bem como o valor necessário para a aquisição.

Juros

A taxa de juros também é uma das diferenças entre o empréstimo pessoal e o financiamento, isso porque, enquanto o empréstimo pessoal conta com taxas de juros que podem oscilar em até vinte e um pontos percentuais, como mostra o Banco Central, no financiamento esse percentual tende a ser reduzido, já que o bem é utilizado como garantia de pagamento e a concessão do crédito tem um objetivo.

Burocracia

O empréstimo pessoal é considerado uma das modalidades menos burocráticas, já que, na prática, conta apenas com a análise de crédito, que tem o intuito de avaliar o histórico de pagamento do consumidor, score e a sua relação com o mercado num panorama geral.

O financiamento, entretanto, envolve um processo mais burocrático, portanto, a liberação do dinheiro pode levar mais tempo, bem como serão exigidos mais documentos que no crédito pessoal.

Valor concedido

O valor concedido no empréstimo pessoal, normalmente, tende a ser inferior às quantias disponibilizadas no financiamento imobiliário ou de veículo. Com isso, entre os parceiros da FinanZero, por exemplo, é possível obter entre R$ 500,00 e R$ 40 mil.

Por outro lado, em algumas modalidades de financiamento o dinheiro concedido pode chegar até 90% do valor do bem, isso significa que é possível obter, por exemplo, R$800 mil de crédito através desse produto financeiro.

Como funciona o empréstimo com garantia de imóvel?

Empréstimo pessoal e financiamento

O que é análise de crédito?

A análise de crédito é um procedimento realizado pelas instituições financeiras, a fim de averiguar se o solicitante terá condições de arcar com a dívida. Além disso, é através dessa análise, também, que são definidas as condições da concessão, isso é, o valor, prazo de pagamento e taxas de juros aplicadas.

Desse modo, a análise de crédito avalia diversas informações sobre o consumidor, são eles:

Dados cadastrais: são verificadas informações como CPF, telefone, estado civil, idade, nível de escolaridade, profissão e região de residência.

Perfil de crédito: esse dado é utilizado para compreender a relação do consumidor com o mercado de crédito, logo, é possível que seja consultado o score de crédito.

Restrições no nome: além do perfil de crédito, é verificado, ainda, se o consumidor possui restrição no nome, ou seja, se está com alguma pendência com bancos e outras instituições.

Renda: a renda mensal também é analisada, pois é a partir dessa informação que as instituições constatam qual é o valor máximo da parcela, já que esse tipo de despesa não pode ultrapassar 30% do salário.

Quanto rende a poupança hoje?

O que acontece se deixar de pagar um empréstimo pessoal ou financiamento?

Quando o consumidor deixa de pagar as parcelas do empréstimo pessoal, a instituição credora pode solicitar a inscrição do CPF do cliente nos cadastros de restrição ao crédito. Além disso, pode haver redução da pontuação do score, que posteriormente impactará na solicitação de outros empréstimos, financiamentos e obtenção de outros produtos financeiros. Por fim, em alguns casos, é possível que haja a aplicação de multas, caso esteja estabelecida em contrato.

Já no caso de financiamento, a inadimplência do consumidor permite à instituição ingressar com ação de busca e apreensão do veículo. Dessa forma, o bem financiado, seja imóvel ou automóvel, pode ser tomado pela credora e leiloado como forma de quitar a dívida do cliente.

Quais bancos oferecem empréstimo para autônomo?

Empréstimo pessoal e financiamento: qual é o melhor?

No momento de escolher entre o empréstimo pessoal e o financiamento, o consumidor deve levar em consideração diversos fatores, como:

  • taxa de juros;
  • Custo Efetivo Total (CET);
  • prazo de pagamento;
  • finalidade;
  • valor necessário;
  • tempo de espera.

A nossa dica é comparar os modelos e analisar qual opção corresponde às demandas e cabe no bolso. Além disso, é de suma importância, em ambos os casos, verificar todas as informações do contrato, a fim de evitar surpresas desagradáveis.

Ficou com mais alguma dúvida sobre empréstimo pessoal e financiamento? Deixa nos comentários! Ah, e não se esqueça de seguir a FinanZero nas redes sociais: @finanzero no Instagram, /FinanZero no Facebook e @finanzero no Twitter.

Próximo artigo

Financiamento de veículo: entenda o que é e como funciona

Quais os tipos de financiamento possíveis?Como funciona um financiamento de veículo?Qual a […]

Ler artigo completo

respostas para “Qual a diferença entre empréstimo pessoal e financiamento?

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Navegue por:

    Benefícios do GovernoCréditoDestaquesFinanças PessoaisImpostosMercadoNegócios
    PáginasEmpréstimo com garantia de imóvelCapital Empreendedorhome 2022 teste abEmpréstimo com garantia de veículoEmpréstimo com Garantia de CelularEmpréstimo para MEISimulador de Empréstimo OnlineHome EquityEmpréstimo FGTSEmpréstimo para empresasStoriesÍndice de EmpréstimoConsórcioSitemapIti – Empréstimo Pessoal OnlineClick Cash – Empréstimo Pessoal OnlineCartão de Crédito OnlineDigio – Cartão de Crédito OnlinePolítica de Privacidade FinanZeroVirtusPay – Boleto Parcelado Onlinebxblue – Empréstimo Pessoal OnlineAgente Imóvel – Refinanciamento Imobiliário OnlinePiki – Empréstimo Pessoal para Negativado OnlineProvu – Empréstimo Pessoal OnlineBoa Vista: Empréstimo Pessoal Online e ScoreCetelem – Crédito Consignado OnlineSuperSim – Empréstimo Pessoal OnlineSofisa Bank – Refinanciamento de Imóvel OnlineBanco Alfa – Empréstimo Pessoal OnlineEmpréstimo Sim – Crédito Pessoal OnlineCredjet – Empréstimo Pessoal OnlineBanco Bari – Refinanciamento de Imóvel OnlineEmpréstimo Consignado INSS para aposentado e pensionistaParceirosCreditas – Refinanciamento de Imóvel OnlineEmpréstimo para Autônomo Negativado OnlineSimulação de empréstimoEmpréstimo com Garantia OnlineSimule seu empréstimo – ConversãoEmpréstimo ConsignadoNexoos – Empréstimo Para Empresa OnlineCashMe – Refinanciamento de Imóvel OnlineCrediHome – Refinanciamento de Imóvel OnlineTipos de EmpréstimoOmni Financeira – Refinanciamento de Veículo OnlineMoneyman – Empréstimo Pessoal OnlineBanco Pan – Crédito Consignado OnlineNew HomeLivre Digital – Empréstimo Pessoal OnlineBizCapital – Empréstimo e Capital de Giro Para Empresa
    Solicite seu empréstimo